Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 17 de Junho de 2024

Esporte

Grêmio encara desafio de atacar sem poder se descuidar na defesa contra o Palmeiras

Uol

21 de Junho de 2012 - 14:31

O Grêmio vive um dilema, nesta quinta-feira. Precisa atacar o Palmeiras, mas teme que um gol do adversário torne tudo ainda mais complicado. Derrotado por 2 a 0 em casa, o time gaúcho encara o desafio de ter que atacar e não poder deixar de se defender.

A meta inicial é marcar três gols. Algo que não aconteceu uma vez sequer contra times de Série A neste ano. Se fizer isso, a equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo pode até tomar um gol do Palmeiras que estará classificado. No entanto, caso saia atrás no placar, a pressão psicológica praticamente irá inviabilizar reação.

"Se tiver que se expor, nós vamos nos expor. Se tiver que ficar um jogador para um adversário, vai acontecer e vamos estar preparados para isso. Essa partida tem que ser diferente, não pode ser um jogo normal. Nós não queremos parar por aqui. Mesmo com as dificuldades, tudo mundo está acreditando que é possível. Até porque estamos em um clube que a história mostra isso. Sempre conseguiu sair dos momentos difíceis. Então, temos que acreditar até o último segundo da partida que é possível fazer uma virada", disse o capitão do time, Gilberto Silva.

O duelo de volta da Copa do Brasil ocorre nesta quinta, às 21h, em Barueri. Todos os ingressos foram vendidos antecipadamente, o que garante estádio lotado. Quem avançar entre Grêmio e Palmeiras terá pela frente o Curitiba, que na quarta-feira eliminou o São Paulo.

"Não acredito muito que o Felipão vai expor a equipe dele. Pode ser que no início, por estar jogando em casa na frente da torcida, possa sair um pouco mais até para tentar matar o jogo. Prefiro acreditar que não. Que será um jogo parecido com o do Olímpico, onde eles conseguiram uma boa vantagem", afirmou Gilberto.

Com os retornos de Werley e Souza, o Grêmio terá a formação considerada ideal por Vanderlei Luxemburgo. A classificação vale salvar o semestre do último ano do Olímpico - já que no Gauchão a equipe sequer chegou na final.