Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 26 de Setembro de 2020

Esporte

Preparador físico defende recondicionamento gradativo de jogadores

Segundo Lancetta, treinamento deve se estender entre 45 a 60 dias.

Agência Brasil

04 de Maio de 2020 - 13:54

Todas as competições envolvendo clubes do futebol brasileiro estão paralisadas ou foram adiadas desde meados de março, incluindo os campeonatos estaduais, em função da pandemia do novo coronavírus (covid-19). No Rio de Janeiro, por exemplo, o Carioca foi  interrompido no dia 16 de março e, desde então, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj) vem mantendo contato permanente com os clubes, por meio de reuniões por videoconferência realizadas para discutir a retomada da competição.

Tendo em vista que as férias dos jogadores terminaram na última quinta-feira (30), a Ferj publicou uma resolução ontem, no site da entidade, dando autorização aos clubes de retornarem aos treinamentos, desde que respeitem a saúde das pessoas - adoção de protocolos técnicos sanitários -, e obedeçam as determinações das autoridades governamentais. Porém, no Rio de Janeiro, estão em vigor dois decretos que impedem a realização de tais atividades na esfera estadual. As medidas restritivas no estado vão até o próximo dia 11. Já na capital, as limitações foram estendidas até o dia 15 deste mês.

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) sugeriu o retorno dos jogos a partir do dia 17 de maio. Caso  fosse colocado em prática pela Ferj, o intervalo máximo entre a retomada dos treinamentos e a realização de uma partida seria de, no máximo, seis dias. A Agência Brasil convidou Carlos Alberto Lancetta, preparador físico com passagens por clubes como América, Botafogo, Flamengo e Vasco, além da Seleção Brasileira, para analisar a viabilidade de realização de jogos e os cuidados que os clubes devem ter para que as partidas retornem de forma responsável, no que diz respeito ao condicionamento físico dos jogadores.

No caso do Rio de Janeiro, é possível o retorno em um período tão curto, entre o início dos treinamentos coletivos e a disputa de uma partida?

Lancetta: Em função do pouco espaço de tempo que a gente tem, deve haver uma preocupação de não se fazer um açodamento, ou seja, não queimar etapas deste treinamento. Porque, normalmente, quando isso acontece, você tem problemas sérios de haver contusões em maior escala e também trazer problemas de ordem da carga e sobrecarga no treinamento dos jogadores. Tem que haver calma e sensibilidade.

Qual a importância de se estabelecer com antecedência as datas para o reinício dos campeonatos?

Lancetta: Quando você vai elaborar um planejamento de treinamento anual ou semestral é necessário saber o início e o fim da competição para que se programe o clímax da forma físico-técnica, para que ela aconteça exatamente na parte decisiva da competição. Então é importante que sejam fixadas as datas e os critérios que forem acordados e estabelecidos, para que o gestor do treinamento organize esse planejamento de forma bem eficaz, evitando problemas com relação a se atingir a forma antes do tempo, ou não atingir no momento exato. Lembre-se sempre que o atleta se machuca por falta de treinamento ou pelo excesso. A minha preocupação com esta fase deve ser o reinício que deve ser calcado num processo metodológico, para que não se coloque muita intensidade no início do trabalho e que também obedeça às teorias do treinamento desportivo, respeitando a individualidade biológica. As pessoas não são iguais, não reagem da mesma forma e, por conta disso, quando o tempo é escasso a dificuldade é muito maior.

Neste período de inatividade, os jogadores realizaram trabalhos individualizados em suas casas. Essas atividades atenuam o período sem treinamentos coletivos?

Lancetta: Claro que ele [trabalho individualizado] diminui um pouco esse estado de inatividade dos atletas, mas ele não é eficaz e não traz resultados desejáveis para se iniciar uma competição automaticamente. É necessário que haja uma preparação nos clubes junto com o preparador físico, fisiologista... Você tem que estar vendo o que o jogador está fazendo para que se tenha noção exata daquilo que ele necessita, e diariamente avaliar as condições a cada momento do treino.

Qual seria o tempo ideal que as equipes deveriam ter para se condicionarem de forma ideal?

Lancetta: O ideal é que se faça de 45 a 60 dias o período de preparação, como aconteceu o intervalo de paralisação. Isso é para voltar o nível inicial de forma física, não o nível máximo.