Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Abril de 2024

Internacional

Trump avança para domínio total do partido Republicano

Entre os críticos de Trump, o seu comportamento está suscitando novas preocupações.

CNN Brasil

28 de Janeiro de 2024 - 18:20

 Trump avança para domínio total do partido Republicano
Donald Trump durante evento para arrecadação de recursos para campanha em Columbia, no Estado da Carolina do Sul. Foto: REUTERS/Sam Wolfe

Donald Trump está avançando para afirmar o domínio total sobre o Partido Republicano, em um prenúncio do governo do tipo de líder autoritário que ele prevê para o seu possível segundo mandato, após os seus triunfos em Iowa e New Hampshire, nos EUA.

O ex-presidente está tentando intimidar Nikki Haley para que abandone a corrida presidencial republicana. Ele está alertando os doadores que contribuem para a ex-governadora da Carolina do Sul de que serão condenados ao ostracismo.

Os apoiadores de Trump lançaram uma tentativa de sacudir o Comitê Nacional Republicano para ungi-lo como candidato presumível depois de apenas duas disputas de indicação – até que Trump voltou atrás em meio à preocupação de seus aliados de que o tiro poderia sair pela culatra.

E o 45º presidente está agora pressionando os membros do Partido Republicano no Congresso para anularem um acordo de imigração para privar o presidente Joe Biden de uma vitória e para garantir que ele possa explorar a crise fronteiriça durante a campanha.

Trump também tem intimidado ex-opositores e decisores importantes do Partido Republicano para o apoiarem rapidamente, enquanto obriga o partido a se ajoelhar diante dele, como fez durante quatro anos na Casa Branca.

A afirmação enérgica de Trump do seu poder crescente como provável candidato é um desmantelamento característico de restrições que reflete o seu comportamento no cargo. Ele sofreu impeachment duas vezes em seu único mandato, que terminou depois que ele tentou anular uma eleição na qual os eleitores escolheram outro para o cargo.

Isso é consistente com a personalidade criada por Trump como a pessoa mais forte em todas as áreas que o sustentou durante uma vida nos negócios, nos reality shows e como ex-presidente.

Entre os críticos de Trump, o seu comportamento está suscitando novas preocupações de que o seu potencial segundo mandato possa significar um alvorecer de autocracia no Salão Oval. E o desejo de Trump de pressionar Haley para sair da corrida depois de apenas duas disputas – enquanto lidera na contagem de delegados por 32 a 17, dos 1.215 necessários para a coroa republicana – é consistente com o seu desrespeito pelos processos democráticos.

O ex-presidente não esconde suas intenções. Ele alertou frequentemente, por exemplo, que dedicaria um segundo mandato a exigir “retribuição” aos seus inimigos. Quase todos os dias, ele exige imunidade criminal total para os presidentes, em parte como um esforço para evitar um processo pela sua tentativa de anular as eleições de 2020, mas também para permitir se comportar como ele quiser em um possível segundo mandato, sem risco de consequências.

Em um comício no sábado (20) à noite em Manchester, New Hampshire, que pulsou com imagens agressivas, o ex-presidente elogiou o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, como um “grande homem”. Orbán corroeu metodicamente as liberdades políticas, reprimiu a imprensa independente e desacreditou o sistema eleitoral, os tribunais e as fontes alternativas de poder.

Ele é considerado por muitos apoiadores do “Make America Great Again” como um herói e um modelo. “Algumas pessoas não gostam dele porque ele é muito forte. É bom ter um homem forte à frente de um país”, refletiu Trump.

Os comentários de Trump consolidaram a impressão de que Orbán pode ser um protótipo melhor para o líder autoritário que o ex-presidente gostaria de ser do que os ditadores europeus extremos da década de 1930, com os quais a sua retórica recente, especialmente em relação aos imigrantes, tem atraído comparações.

Impaciência de Trump está criando riscos políticos para sua campanha

Os instintos autocráticos do ex-presidente são uma das razões pelas quais essas eleições prometem ser uma das mais fatídicas da história americana moderna.

Mas também existem riscos para Trump na sua abordagem truculenta. Ao exercer a sua influência, ele poderia confirmar os argumentos de Biden de que colocaria a democracia em perigo se fosse eleito para um segundo mandato em novembro.

E a abordagem intimidadora e a linguagem sexista que ele usa em relação a Haley podem alienar alguns dos eleitores suburbanos mais moderados e independentes que ela está atraindo nas primárias do Partido Republicano. Esses são exatamente os tipos de eleitores que Trump alienou na sua derrota em 2020. Se quiser ganhar outro mandato, ele deve pelo menos mitigar o seu déficit em relação a Biden nesse grupo em novembro.

Katon Dawson, ex-presidente do Partido Republicano na Carolina do Sul, observou as possíveis consequências do comportamento de Trump em uma entrevista à CNN na quinta-feira (25). Dawson, um dos poucos pesos pesados do Partido Republicano no estado que apoia Haley, alertou que Trump “polarizaria” as mulheres na Carolina do Sul com seus “pequenos comentários obscenos sobre o que Nikki vestia”.

Ele acrescentou: “Donald Trump está concorrendo mais como se quisesse ser o presidente de Cuba do que o presidente dos Estados Unidos”.

Haley pode não ter derrotado Trump em Iowa ou New Hampshire. Mas ela o provocou ao se recusar a desistir rapidamente de sua campanha e apoiá-lo como outros candidatos republicanos, incluindo o governador da Flórida, Ron DeSantis, e o senador da Carolina do Sul, Tim Scott. A fúria de Trump foi revelada em um discurso egocêntrico de vitória em New Hampshire, na noite de terça-feira (23). A zombaria de Haley sobre isso enfureceu ainda mais o ex-presidente.

“Fizemos o nosso trabalho e dissemos o que tínhamos a dizer e então Donald Trump apareceu e teve um acesso de raiva”, disse Haley em Charleston na quarta-feira (24). “Ele teve um ataque. Ele foi um insulto. Ele estava fazendo o que faz, mas sei que é isso que ele faz quando está inseguro”.

Trump parece profundamente frustrado porque Haley está desafiando seus apelos para que ela abandone a corrida. Durante seu discurso em New Hampshire, ele zombou do vestido que ela usou na noite das prévias em Iowa. Ele a chama de “cérebro de pássaro” nas redes sociais.

Trump também alertou que qualquer pessoa que fizer uma contribuição financeira para ela será “excluída do campo MAGA (Make Amercia Great Again)” – o que Haley transformou em um discurso de arrecadação de fundos para sua campanha.

Não é surpreendente que tenha havido apelos para que Haley encerre a sua campanha, dada a dimensão das suas derrotas para Trump e o fato de New Hampshire, onde os independentes podem votar nas primárias do Partido Republicano, ser a sua melhor hipótese de vitória.

Os partidos geralmente gostam de se consolidar rapidamente atrás de um candidato para antecipar as eleições gerais quando o destino da corrida primária se tornar óbvio. Mas o desdém do mundo Trump em relação a Haley é notável.

Por exemplo, mesmo antes de todas as urnas terem sido encerradas na noite de terça-feira, a deputada Elise Stefanik, de Nova York, uma das principais apoiadoras de Trump, emitiu um comunicado dizendo que a campanha de Haley “deve terminar” após a vitória “monumental” do ex-presidente “para o bem da república”.

A história de campanhas anteriores sugere que a contenção e o respeito podem ser mais eficazes para tirar Haley da corrida do que as ameaças. E embora as suas perspectivas pareçam sombrias, a ideia de que um candidato deva abandonar uma campanha depois de apenas duas disputas em um momento de primárias nacionais só porque o candidato favorito o diz é em si uma afronta a um processo democrático.

Até Trump parece estar convencido de que parte disto foi longe demais. O ex-presidente se manifestou na quinta-feira contra um projeto de resolução do Comitê Nacional Republicano que o teria declarado o suposto candidato – uma medida que lhe teria permitido acesso aos dados do comitê e à operação de arrecadação de fundos. Isso teria essencialmente unido as forças do partido com Trump enquanto uma eleição envolvendo um rival ainda estava ocorrendo.

Mas Trump escreveu no Truth Social que embora apreciasse o “respeito e devoção” do comitê, ele queria vencer à “maneira antiga”, nas urnas. Embora a campanha tenha inicialmente aprovado a resolução e o próprio Trump estivesse a bordo, isso mudou quando se seguiu uma reação negativa, disse uma fonte familiarizada com o assunto. A resolução foi retirada na quinta-feira.

Trump tenta esmagar acordo de imigração

O ex-presidente, cuja carreira empresarial foi mitificada em “A Arte do Acordo”, está atualmente mais preocupado com a arte de destruir um acordo – um acordo que está sendo dolorosamente montado por senadores republicanos e democratas para resolver uma crise na fronteira sul.

Trump tem feito lobby junto aos republicanos, tanto em conversas privadas como em declarações públicas nas redes sociais, para se oporem ao acordo, porque quer fazer campanha sobre o assunto este ano e garantir que Biden não obtenha uma vitória legislativa que possa aliviar a pressão na fronteira e ajudar a sua reeleição, disseram fontes.

As manobras de Trump enfureceram alguns senadores republicanos que procuram um resultado para os seus eleitores em um momento em que Biden parece disposto a aceitar a volta de algumas políticas de imigração linha dura da era Trump em um compromisso.

O senador republicano Todd Young, de Indiana, classificou como “trágicos” quaisquer esforços para interromper as negociações em andamento. O senador Mitt Romney, de Utah, um antagonista frequente de Trump que não concorre à reeleição, disse que se Trump sabotasse o acordo apenas para culpar Biden, seria “terrível”.

Trump e os seus acólitos no Capitólio também deixaram clara a sua oposição ao mais recente pacote de ajuda de US$ 60 bilhões de Biden para a Ucrânia, que está ficando sem balas e munições.

O senador democrata Chris Murphy, de Connecticut, que tem estado fortemente envolvido nas discussões sobre a imigração e sobre a Ucrânia, levantou preocupações de que a sombra iminente de um homem – que atualmente não desempenha qualquer função governamental – possa sobrecarregar um ramo do governo dos EUA.

“Espero que não vivamos hoje em um mundo em que uma pessoa dentro do Partido Republicano detenha tanto poder que possa impedir um projeto de lei bipartidário para tentar dar ao presidente poder adicional na fronteira para dar mais sentido à nossa política de imigração”, disse Murphy à CNN.

“Espero que não haja uma pessoa tão poderosa dentro do Partido Republicano para entregar a Ucrânia a Vladimir Putin, mas descobriremos as respostas para isso”.