Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 6 de Julho de 2022

Policial

Advogado de MS é suspeito de integrar esquema de corrupção bilionária

Segundo a Polícia Federal, esquema tinha atuação de juízes federais, advogados, empresários e servidores

Correio do Estado

20 de Maio de 2022 - 11:43

Advogado de MS é suspeito de integrar esquema de corrupção bilionária
Foto: Divulgação

A Polícia Federal deflagrou a Operação policial Skiagraphia, na manhã desta sexta-feira (20), com o objetivo de desmantelar esquema de corrupção com indícios de atuação de juízes federais, advogados, empresários e servidores públicos.

Em Mato Grosso do Sul, o alvo é um advogado que reside em Dourados.

Além de Dourados, no total, são cumpridos 19 mandados de busca e apreensão em domicílios investigados nas cidades de Fortaleza (CE), São Paulo (SP) e Recife (PE).

No Estado, o mandado foi cumprido em um escritório na área central, por policiais federais acompanhados de membros da Comissão de Defesa das Prerrogativas dos Advogados da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MS).

No local, foram apreendidos documentos e mídias que podem conter indício da participação do advogado no esquema de corrupção.

As investigações tiveram início em 2019, a partir de notícia da Procuradoria da Fazenda Nacional, e apontaram indícios de participação de magistrados, advogados e empresários devedores do Fisco Federal em ações em curso na Justiça Federal.

Os crimes foram cometidos entre os anos de 2012 a 2016 e resultaram em prejuízo bilionário aos cofres da União.

A investigação apontou ilicitudes na condução de processos de execuções fiscais dos grandes devedores da União, vínculos suspeitos entre magistrados e advogados, fluxo financeiro suspeito e falsificação documental com simulação de intimações da União.

As ações causaram prejuízo à Fazenda Nacional em benefício de empresários. Ou seja, os juízes e advogados agiam, através de decisões judiciais, entre outros, de forma a beneficiar pessoas que devem grandes montantes à União.

Conforme a Polícia Federal, os investigados terão a conduta individualizada e, a partir disso e da colheita de indícios e provas, poderão responder inquérito policial pelos crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

As penas vão até 42 anos de prisão.

Como a operação de hoje cumpriu mandados de busca e apreensão, as investigações seguem com a análise do material apreendido.

Skiagraphia

O nome da operação remete à técnica de pintura “shadow painting”, em que se busca dar a ilusão de profundidade pelo contraste entre sombra e luz.

Com isso, os investigados simulavam estar à luz do caminho público, mas na verdade se encontravam às sombras da lei.