Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 19 de Maio de 2022

Policial

Além de Chapadão, agentes ameaçam entregar chaves de mais 4 delegacias

O delegado Danilo Mansur informou, que na delegacia estão detidos 24 homens. Eles estão sem alimentação desde ontem.

Campo Grande News

26 de Novembro de 2015 - 17:00

Agentes da Polícia Civil de quatro municípios de Mato Grosso do Sul, além de Chapadão do Sul, podem entregar as chaves das celas, como forma de protesto, após a morte do investigador Anderson Garcia da Costa. Amanhã (27) será realizada pelo Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis) assembleia para discutir a situação das delegacias do Estado.

O presidente do Sinpol, Giancarlo Miranda, apontou que a morte do investigador causou comoção nos agentes do Estado, com isso muitos acabaram ameaçando entregar as chaves das celas como protesto, porque a custódia de presos está além de suas funções. “Eles querem mostrar que isso não é atribuição deles”, comentou.

As delegacias de Sonora, Camapuã, Eldorado e Cassilândia ameaçaram, mas ainda não cumpriram a promessa de entregar as chaves, já que o presidente do sindicato convocou assembleia extraordinária para discutir a situação. “Não foi nada coordenado pelo sindicato”, ressaltou o presidente, que amanhã deve ter uma posição sobre ações dos policiais.

Ele apontou que ainda hoje (26) vai ao TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) para tentar a remoção dos presos das delegacias para os presídios. “Eles querem dar um basta na situação e não esperar outra morte, para que seja tomada uma atitude”, lembrou Gincarlo.

Chapadão do Sul - O delegado Danilo Mansur informou, que na delegacia estão detidos 24 homens. Eles estão sem alimentação desde ontem. A delegacia de Chapadão do Sul tem capacidade para oito presos com máximo de 12 detentos, porém, hoje na delegacia, são 24 que estão no local há quase quatro meses, a maioria acusados de tráfico.

Ainda conforme Mansur, a delegacia apresenta vários problemas, como exemplo, entupimento de fossa. "A fossa sempre entope e quando isso acontece, os presos evacuam em sacos plásticos ou em embalagens e entregam aos investigadores. Eles cansaram disso", pontua.