Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Policial

Bandidos ameaçaram matar motorista e atirar contra estudantes em assalto

O assalto ocorreu por volta das 22h, a uma quadra da Faculdade Estácio Sá, no Jardim TV Morena, em Campo Grande.

Campo Grande News

17 de Novembro de 2015 - 13:00

Estudantes de Sidrolândia, assaltados por três homens dentro de um ônibus na noite desta segunda-feira(16), contaram que viveram momentos de terror nas mãos dos bandidos. O assalto ocorreu por volta das 22h, a uma quadra da Faculdade Estácio Sá, no Jardim TV Morena, em Campo Grande.

De acordo com uma estudante de 21 anos, que preferiu não se identificar, os bandidos esperaram todos entrarem no ônibus, até que invadiram o veículo e anunciaram o assalto. Muito agressivos e armados, os assaltantes ordenaram que todos os 10 passageiros e o motorista, entregassem seus pertences. "Eles ficavam falando que iriam matar o motorista e gritavam para que jogássemos o que tínhamos em uma mochila no chão do ônibus", contou.

Uma das acadêmicas teve de entregar os R$ 120,00 que tinha na carteira, mas conseguiu esconder o celular dos marginais e só por isso conseguiu acionar a Polícia Militar, mesmo assim disse que foi mal atendida pelos policiais. "Liguei e me pediram o endereço certinho, quando eu só sabia dizer que era atrás da TV Morena, fui muito mal atendida", afirmou.

Os marginais, que não usavam capuz por isso, segundo a jovem, foi possível perceber que um deles era moreno e aparenta ter aproximadamente 27 anos. Foram levados seis telefones, um relógio avaliado em R$ 400,00, um par de brincos, pulseira e um montante não calculado em dinheiro.

A Universidade Estácio de Sá informou por meio da assessoria de imprensa que está oferecendo todo apoio aos estudantes e pretende pedir mais segurança para a região. Conforme a instituição, no início do segundo semestre já havia sido solicitado reforço policial nas redondezas da universidade, devido a assaltos que estavam ocorrendo no local, mas o policiamento ostensivo durou pouco tempo e agora o pedido será feito novamente.

"É comum assalto por aqui, vivemos com medo, procuramos andar em grupo, mesmo assim acontece muito", disse a estudante.