Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 1 de Março de 2021

Policial

Brasileiros sofrem com insegurança na Disney: "Levaram tudo"

Mesmo com o crescimento do número de furtos na Flórida, o Consulado-Geral considera a incidência pequena, em comparação com o número de turistas brasileiros no estado

Terra

29 de Setembro de 2014 - 14:43

Visitar o "maravilhoso mundo da Disney" faz parte dos sonhos de uma grande parcela dos brasileiros. Não à toa, o número de turistas que saem do Brasil para visitar o mundo encantado fundado em 1971 cresce a cada ano. No entanto, o também crescente número de furtos que têm acontecido em Miami e em Orlando nos últimos meses causa preocupação nos turistas canarinhos que vão às terras de Tio Sam.

"Depois do sonho, veio o pesadelo". Foi assim que a técnica de enfermagem Adriana Bacelar, 39 anos, descreveu a viagem que fez para Orlando neste mês de setembro, a primeira para os EUA. Adriana viajava ao lado da irmã Rosangela e das amigas Tatiane e Beatriz Pio, também irmãs. O plano das brasileiras era visitar a cidade para comemorar o aniversário de Adriana - que foi no último dia 11 - e de Beatriz - que será no próximo dia 29. Mas, no meio da viagem, algo fugiu do planejado.

Segundo Beatriz, na noite do último dia 15, depois de mais um dia de diversão, elas retornaram ao quarto do Hotel Quality Inn, em que estavam hospedadas, e se depararam com um lugar completamente revirado.

"Levaram malas inteiras. O cofre e a porta do quarto foram arrombados. Ficamos sem cartão de crédito, passaportes, ingressos para o parque da Universal, passagens aéreas... Enfim, (levaram) tudo." Adriana estima que o grupo tenha tido um prejuízo de cerca de US$ 14 mil (cerca de R$ 34 mil), incluindo compras e dinheiro vivo.

Desesperadas, as brasileiras procuraram os seguranças e funcionários do hotel, que, segundo ela, agiram como se o caso não fosse nenhuma surpresa. "No mesmo dia, arrombaram outro quarto proximo ao nosso. Os hóspedes eram equatorianos, não tinham comprado nada e nada foi levado", lembra Adriana. A brasileira disse ainda que as câmeras instaladas nos corredores do hotel não estavam funcionando.

O Consulado-Geral do Brasil em Miami diz que o número de relatos de viajantes brasileiros que tiveram seus pertences e documentos roubados cresceu nos últimos anos. Em 2012, quando 1,6 milhão de brasileiros visitaram a Flórida, foram registrados 117 casos de furtos. Em 2013, com 1,7 milhão de brasileiros no estado, 224 ocorrências foram registradas. Em 2014, até o dia 23 de setembro, 119 furtos já foram reportados.

As ocorrências registradas neste ano concentram-se em Miami (29%) e em Orlando (26%). Outros casos foram reportados nas cidades de Miami Beach (10%), Sunrise (8%), Doral (7%) e Aventura (6%). Do total de vítimas, 133 tiveram seus veículos arrombados.

O casal Nathalya e Igor Godoy também sofreu com a viagem feita aos Estados Unidos, neste mês. No último dia 19, enquanto eles aproveitavam uma viagem para a Disney, em comemoração a um ano de casados, os dois também tiveram o quarto de hotel saqueado. Eles estavam hospedados no Disney All-Star Sports Resort, hotel localizado dentro do complexo de parques. A medida teria sido tomada "por segurança".

"Rasgaram nossas malas, arrombaram cadeados e roubaram óculos, perfume, minha câmera fotográfica com memórias da viagem, bermudas, tênis, fones de ouvido, camisetas", diz Nathalya em uma publicação no Facebook, em que denuncia o ocorrido. As fotos do quarto revirado foram compartilhadas por mais de 36 mil internautas. Segundo ela, o prejuízo foi de quase US$ 3 mil (cerca de R$ 7,2 mil).

Devido às publicações feitas no Facebook, os casos do casal e das amigas brasileiras são os mais conhecidos. No entanto, outras pessoas também relataram episódios de furtos que sofreram durante a viagem ao estado americano.

"Furtaram os dólares que estavam dentro do cofre fechado com senha digital", disse Adriana Oliveira, 40 anos, brasileira que ficou hospedada no Monumental Hotel, em Orlando, no mês de janeiro. Adriana fez a viagem ao lado de sua amiga Laís Jordany, 18 anos. "Minha amiga ficou deprimida por dois dias e não queria mais sair do quarto. Levaram todos os dólares que ela tinha", conta Adriana. Segundo ela, o prejuízo foi de US$ 1.150 (cerca de R$ 2,7 mil). "Foi um prejuízo lastimável."

"O gerente do hotel ironizou a gente, dizendo que somente ele tinha a senha mestre e que ele não estava no hotel naquele dia", afirmou Adriana, que diz que o atendimento policial foi "excelente". Após fazer o boletim de ocorrência, todas as vítimas são orientadas a entrar em contato com o Consulado do Brasil em Miami, que as ajudam com as questões de passagens, passaportes e contatos com advogados.

"A viagem durou onze dias e isso aconteceu no segundo dia. Tentei trocar de hotel, mas o site das Americanas.com (onde ela tinha adquirido as diárias) queria cobrar nova estadia para transferir a gente. Mesmo encaminhando os comprovantes do boletim de ocorrência, eles não fizeram nada", explica Adriana, que teve que passar os demais dias da viagem no mesmo hotel onde o crime aconteceu.

Nos dias seguintes, a turista brasileira aproveitou para gravar um vídeo em que mostra a recepção do hotel abandonada, sem nenhum funcionário. De acordo com Adriana, a falta de vigilância coloca a segurança dos hóspedes em risco.

Mesmo com o crescimento do número de furtos na Flórida, o Consulado-Geral considera a incidência pequena, em comparação com o número de turistas brasileiros no estado. A entidade ressalta ainda que os lugares em que furtos ocorrem com maior frequência são aqueles de grande concentração de pessoas, como parques temáticos e atrações turísticas, hotéis e grandes centros de compra.

"O policial nos falou que, em todos os dias, estão fazendo boletins de ocorrência em hotéis", diz Adriana Bacelar, que viajou com a irmã e as amigas. "Programamos essa viagem há mais de um ano. Estava tudo tão perfeito, aí acontece isso. Ficamos muito chateadas, choramos demais e ficamos dois dias praticamente sem dormir", disse ela, que afirma que voltaria a Orlando, mas jamais "passaria em frente" ao hotel em que sofreu o crime.