Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 17 de Maio de 2022

Policial

Campo Grande tem a maior taxa de relato de violência no "Ligue 180"

Dos casos, foram 552.748 relatos de violência, com destaque para os de violência física (56,72%) e psicológica (27,74%).

Midiamax

04 de Dezembro de 2015 - 10:40

A Central de Atendimento à Mulher - Ligue 180 completou 10 anos de prestação de serviços em novembro. No período foram realizados 4.708.978 atendimentos no Brasil. De acordo com dados divulgados pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, Campo Grande foi a capital com maior taxa de relatos de violência (227,53 relatos por 100 mil mulheres), seguida por Rio de Janeiro (119,09) e Natal (113,43).

Entre as unidades da federação, foi no Distrito Federal a maior taxa de relatos de violência pelo Ligue 180, seguido por Mato Grosso do Sul e Rio de Janeiro. Nos primeiros dez meses de 2015, o Ligue 180 atendeu todas as 27 unidades da federação, com média de 52,45 relatos de violência por 100 mil mulheres.

Dos casos, foram 552.748 relatos de violência, com destaque para os de violência física (56,72%) e psicológica (27,74%). Entre 2006 e 2015, a Central consolidou-se como canal de informações sobre legislações e direitos, violências e crimes e serviços especializados no atendimento de mulheres em situação de violência. Ao longo de 10 anos, foram prestadas 1.661.696 de informações pelo Ligue 180    e feitos  824.498 encaminhamentos a serviços da Rede de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres.

Estatísticas

Em 2015, do total de atendimentos, 63.090 foram relatos de violência, dos quais 58,55% foram cometidos contra mulheres negras. Na avaliação dos técnicos da Central, esses dados demonstram a importância da inclusão de indicadores de raça e gênero nos registros administrativos referentes à violência contra as mulheres.

Em comparação com o mesmo período em 2014, a Central de Atendimento à Mulher constatou que houve aumento de 300,39% nos registros de cárcere privado, com média de dez registros/dia; de 165,27% nos casos de estupro, com média de oito relatos/dia, ou seja, a cada 3 horas é registrado um caso de estupro no Ligue 180; e de 161,42% nos relatos de tráfico de pessoas, com registro médio de 1 registro/dia.