Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 24 de Junho de 2021

Policial

Ex-prefeito tem "surto de loucura" na prisão e é levado para UPA por presos

O Ministério Público moveu ação penal contra ele e outros funcionários da Prefeitura por conta da retirada de R$ 61 mil dos cofres públicos

Campo Grande News

29 de Agosto de 2013 - 08:25

Levado por três internos e um agente do Estabelecimento Penal de Regime Aberto, na Vila Sobrinho, Raul Freixes, passou mal na noite de ontem (28) e foi encaminhado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) da Vila Almeida. Ele permanece internado e inclusive teve de ser amarrado e sedado para dormir, conforme o advogado do ex-deputado estadual e ex-prefeito de Aquidauana, Douglas de Oliveira.

“Ele chamava pela mãe na cela a todo o momento e ainda dizia que os outros internos iriam matar ele, porque estava recebendo muitas ameaças, da época em que apresentou um programa televisivo. Um dos psiquiatras falou que ele não poderá permanecer recluso, por conta do quadro clínico, então vamos pedir imediatamente a prisão domiciliar”, afirma o advogado.

Assim que recebeu o atendimento, foi registrado o diagnóstico de “ansiedade generalizada, agitação psicomotora, sensação de morte eminente e alucinação auditiva”. “Como havia apenas dois agentes na ocasião, ele foi levado por internos e servidor. Eles não quiseram se identificar, por medo de represália, mas confirmaram que o meu cliente está recebendo ameaças no local”, explica o advogado.

Nesta quinta-feira (29), Freixes deverá receber alta, porém irá consultar com outro psiquiatra, já que o seu médico está em viagem. “Os filhos irão buscá-lo nesta manhã e em seguida ele vai para uma nova consulta”, diz o advogado.

Freixes foi preso na manhã de domingo (25), após ordem expedida pelo juiz Albino Coimbra Neto, titular da 2ª Vara de Execução Penal. Para o pedido de prisão domiciliar, a defesa alega que ele sobre de depressão e síndrome do pânico.

Decisão judicial - Raul Freixes foi condenado a 4 anos e 8 meses de prisão, além da inabilitação por cinco anos para o exercício de cargo ou função pública, por desvio de dinheiro enquanto ocupava a prefeitura de Aquidauana.

O Ministério Público moveu ação penal contra ele e outros funcionários da Prefeitura por conta da retirada de R$ 61 mil dos cofres públicos. O ex-gestor municipal tem um histórico de condenações judiciais, que acabaram por comprometer suas pretensões políticas.

Em 2008, foi condenado por simular pagamento a uma empreiteira e ter efetuado saque de R$ 100 mil em 2000, nove dias antes de sair da Prefeitura. No mesmo ano, Freixes ainda desistiu de ser candidato a vice-prefeito em Aquidauana. Em 2009, foi condenado por contratar advogado sem licitação. Em 2010, teve candidatura barrada pela Justiça.