Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 20 de Julho de 2024

Policial

Investigação de compra de imóvel de luxo com verba pública terá desdobramentos

Delegado da Receita Federal, Zumilson Custódio diz que é preciso identificar beneficiados e reaver recursos.

Campo Grande News

10 de Julho de 2024 - 14:55

Investigação de compra de imóvel de luxo com verba pública terá desdobramentos
Equipes da PF, CGU e Receita durante cumprimento de mandados da Operação Casa de Ouro (Foto/Divulgação).

A investigação originada a partir das operações Lama Asfáltica e Mineração de Ouro “ainda terá muitos desdobramentos”, disse o delegado da Receita Federal em Campo Grande, Zumilson Custódio da Silva. Hoje foi deflagrada a 3ª fase, a Operação Casa de Ouro, que investiga a compra de imóvel de luxo no Jardim dos Estados com recursos públicos desviados.

Segundo Custodio, é preciso identificar “quem realmente se beneficiou desses recursos, onde foram parar (...) e para que essas pessoas possam ser responsabilizadas e valores retornem aos cofres públicos”.

De acordo com a Receita Federal, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão de Campo Grande, com participação de cinco auditores-fiscais e cinco analistas tributários, além de 28 policiais federais, dois procuradores da República e dois servidores da CGU (Controladoria Geral da União). Em Campo Grande, um dos mandados foi cumprido em apartamento do edifício Eudes Costa, na Vila Célia.

O delegado da Receita Federal diz que a investigação de hoje é específica para averiguar possível aquisição de imóveis com dinheiro público desviado por meio de licitações e contratos fraudulentos e triangulação de empresas de forma conjunta para constituir organização criminosa. O objetivo é mascarar origem dos recursos para compra de imóvel, retornando aos servidores que fizeram o desvio dos valores.

A reportagem apurou que um dos imóveis adquirido de forma fraudulenta fica na Rua Brasil, no Jardim dos Estados. O delegado não deu detalhes, mas diz que a operação de hoje foi bem sucedida.

Fases – Em 8 de junho de 2021, a Mineração de Ouro cumpriu mandados contra os conselheiros Waldir Neves, Osmar Jeronymo e Ronaldo Chadid. Foram apurados esquema de contratação de funcionários "fantasmas" na Corte Fiscal e desvio de verbas públicas.

A segunda etapa foi deflagrada em 8 de dezembro de 2022. Batizada de Terceirização de Ouro, a nova fase afastou dos cargos os conselheiros Iran Coelho das Neves, Waldir Neves e Ronaldo Chadid. A reportagem entrou em contato com as defesas dos conselheiros investigados em outras fases da operação e todos negam que esta etapa tenha qualquer relação com alguns deles.

Investigação de compra de imóvel de luxo com verba pública terá desdobramentos
Delegado da Receita Federal, Zumilson Custódio da Silva (Foto/Arquivo).