Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 19 de Maio de 2022

Policial

Jacaré invade casa e moradora cobra projetos de proteção aos animais

A secretária publicou em sue Facebook a foto do animal e a indignação por ainda não existir projetos consistentes que protejam tanto a população como os próprios animais

Correio de Estado

05 de Novembro de 2015 - 15:00

Que existem jacaré nas lagoas de Três Lagoas não é novidade, mas na noite de ontem (4) uma moradora foi surpreendida por um filhote de jacaré na porta de sua casa. A secretária Leninha Araújo publicou em sua página do Facebook a fotografia do animal e a indignação por ainda não existir projetos consistentes no município que protejam tanto a população como os próprios animais.

“Encontramos no quintal de casa este filhote de Jacaré, quando uma atitude será tomada referente aos animais que vivem na Lagoa Maior de Três Lagoas? Será necessário um acidente? Por mais que estejam habituados com a população, eles precisam de cuidados e proteção como um alambrado. Uma sucuri já foi morta, capivaras amanhecem mortas todos os dias, faço caminha na lagoa o cheiro da água está fortíssimo. Autoridades façam alguma coisa”, disse em sua publicação.

Leninha mora no entorno da Lagoa Maior, à avenida Aldair Rosa de Oliveira, na região central do município. Segundo a moradora, embora pequeno o animal foi agressivo e bastante forte, oferecendo resistência no resgate, que foi feito com o auxílio de uma vassoura e uma pá para prendê-lo em um tambor. O filhote foi capturado sem ferimentos e devolvido a lagoa.

“Moro há anos e nunca havia acontecido com animais mais agressivos, as capivaras e jabutis são visitas frequentes. Temo que a presença de jacarés ou cobras possam se tornar rotina”, disse.

A secretária acredita que o nível alto de água da Lagoa em decorrência das chuvas possa ter causado a situação, mas pede que algo seja feito, pois acredita que em algum momento possa ocorrer algo mais grave. “No meu caso, mesmo com medo não me senti agredida, e, portanto, não tive nenhum impulso de machucar o animal, mas sim de devolve-lo à água. Em outra circunstância ou com outra pessoa, ele não teria tanta sorte. E no meu caso também posso dizer que eu tive sorte”, disse.