Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 27 de Novembro de 2020

Policial

Ladrões invadem residência em Jaraguari e mantêm casal como refém durante 6 horas

Por volta das 20h40 as vítimas de 50 e 68 anos foram surpreendidas pelos criminosos que invadiram o local e anunciaram o assalto

Midiamax

25 de Julho de 2014 - 15:00

 

Dois homens encapuzados e armados com revólveres mantiveram um casal como refém por seis horas. O fato aconteceu na área central do município de Jaraguari, localizado a 47 quilômetros ao sul de Campo Grande. O caso deve ser investigado pela Polícia Civil da região como roubo majorado pelo emprego de arma e restrição de liberdade da vítima.

Por volta das 20h40 de quinta-feira (24), as vítimas de 50 e 68 anos foram surpreendidas pelos criminosos que invadiram o local e anunciaram o assalto. Eles chegaram a amarrar as mãos do casal para trás.

A mulher ficou em um dos cômodos, sentada no chão, enquanto o marido era obrigado a mostrar onde estava o cofre. Com a arma de fogo apontada para a cabeça de ambos, eles eram constantemente ameaçados.

O proprietário do imóvel afirmou por várias vezes que não tinha cofre no local, fato que foi ignorado pelos criminosos. Por conta disso, os suspeitos mantiveram as vítimas como reféns por tanto tempo. Ao encontrar uma caixa com cadeado, eles arrombaram, mas havia apenas documentos.

Os ladrões reviraram toda a casa atrás de dinheiro e armas, porém conseguiram apenas pegar os valores que estavam na carteira da vítima. A quantia não foi divulgada. Em seguida, eles trancaram o casal no banheiro da casa e os ameaçaram de morte, caso eles denunciassem o caso para a polícia. Fugindo da residência, na sequência.

As vítimas, que têm problemas de saúde, só conseguiram sair do cômodo, depois que a polícia foi acionada. Abalados, os dois tiveram que passar por exames. Uma equipe da Perícia Técnica esteve no local para fazer os levantamentos.

Um dos criminosos foi descrito como sendo magro e com aproximadamente 1,70 metro de altura. Por estarem encapuzados e fazendo ameaças de morte às vítimas, elas não tiveram condição