Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Outubro de 2020

Policial

Lentidão da polícia faz família pedir outra delegacia para apurar morte

Segundo a delegada Rosely Molina, titular da Deam e responsável pelas investigações, a equipe trabalha diariamente para elucidar este crime.

Campo Grande News

19 de Março de 2014 - 14:10

Dois meses após o assassinato da decoradora Mauryani Melgarejo, 29 anos, a família da vítima se indigna e pede mudança nas investigações. Atualmente na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), que possui uma demanda muito maior de casos, os pais da decoradora querem que as buscas sejam realizadas pela DEH (Delegacia Especializada de Repressão a Homicídios).

 “Fico indignada por estar presa, com medo de sair de casa, enquanto o Francisco Ubirajara Marques, 52 anos, pode cometer novos crimes. Por isso fui à promotoria semana passada, pois já se passaram 60 dias e quero que ele vá para a cadeia. Nada pode trazer a minha filha de volta, só que saber que a Justiça foi feita ameniza um pouco a minha dor”, afirma a mãe da vítima, R.M., 52 anos.

Segundo a delegada Rosely Molina, titular da Deam e responsável pelas investigações, a equipe trabalha diariamente para elucidar este crime. “Ele está com a prisão preventiva decretada e este é o único mandado de prisão que permanece em aberto. Nos últimos três anos, prendemos todos os bandidos e não paramos dia algum com as buscas pelo Francisco”, garante a delegada.

Neste período, a delegada conta que informações foram checadas, como duas motocicletas e um veículo no qual o autor estaria circulando no Jardim Leblon. “Nós dependemos muito de denúncias da população e de familiares, que imediatamente encaminhamos ao serviço de investigação quando chegam. Infelizmente, porém, ainda não conseguimos cumprir o mandado”, comenta a delegada.

Assassinato - Mauryani morreu com dois tiros na noite do dia 19 de março, em Campo Grande. O crime ocorreu na frente da filha de nove anos, por volta das 19h20, na Rua Tembes, esquina com a Tupi, no Jardim Leblon. O suspeito de ter cometido o crime já foi casado com a tia da vítima e teria cometido a barbárie por vingança.

Conforme a Polícia a vítima estava em uma edícula que fica nos fundos de um restaurante, quando o autor chegou de moto e entrou pelo estabelecimento que dá acesso ao imóvel. Ela estava no quarto junto com a filha, quando Francisco disparou cerca de cinco tiros em direção a Mauryani. Ela foi atingida por dois disparos, um no rosto, que saiu pelo pescoço, e um nas costas.

Antes do crime, Francisco ainda ligou para a mãe da vitima, perguntou da ex-mulher e antes de desligar o telefone a xingou. Segundo os vizinhos, o autor fugiu em uma moto 125.

À Polícia, parentes da vítima disseram que Francisco se separou da esposa em agosto do ano passado e, por vingança, havia jurado matar alguém da família. Francisco tem antecedentes criminais por furto, estupro e homicídio.