Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 16 de Janeiro de 2022

Policial

Polícia acredita que empresário pode ter sido assassinado por vingança

De acordo com informações da Polícia, foram três telefonemas, dando conta de supostos suspeitos

Sidnei Bronka

28 de Abril de 2011 - 07:40

A Polícia Civil de Dourados, que está no local do crime, coletando provas, diz que uma das hipóteses sobre o assassinato do empresário Elvezir Padoim, de 60 anos, é que o motivo do crime seria vingança.

Em coletiva na tarde desta quarta-feira o delegado da Polícia Civil de Dourados, João Alves de Queirós, disse que está no encalço de desafetos do empresário Elzevir Padoim, de 60 anos, que foi assassinado na tarde de ontem em Dourados.

De acordo com informações da Polícia, foram três telefonemas, dando conta de supostos suspeitos. O delegado diz que já ouviu algumas pessoas e a familia deverá ser intimada para comparecer amanhã na delegacia. O objetivo é saber se a vítima vinha recebendo ameaças.

O Serviço de Investigações Gerais da Polícia Civil (SIG) já está percorrendo o entorno do local onde a vítima foi assasinada para verificar se alguma câmera de segurança registrou o ocorrido.

De acordo com a polícia a vítima chegava em casa conduzindo um Toyota Corolla, de cor preta, com placas HTH 1818 de Dourados, quando o pistoleiro se aproximou e atirou seis vezes.

Ele foi atingido com cinco tiros, dois no rosto, um no pescoço e dois no tórax do lado esquerdo que transfixou o lado direito.

O crime aconteceu no cruzamento das ruas Hayel Bon Faker com a Olinda Pires de Almeida, no bairro BMH 3º Plano, em frente a garagem da casa dele. Segundo informações que a esposa prestou à polícia, ela ouviu o carro chegando na residência, mas estranhou que ele não entrava. Ela saiu para fora e já se deparou com o marido baleado. O Serviço Ambulatorial (Samu) foi acionado e quando chegou Padoim já estava morto.

De acordo com uma testemunha, seis disparos foram ouvidos, mas ninguém sabe dizer se o pistoleiro estava sozinho e em qual veículo fugiu. A polícia trata o caso como crime de execução.