Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 22 de Janeiro de 2022

Policial

Polícia pode ouvir novamente pivô de confusão em que PM foi morto

A dúvida principal é sobre quem atirou primeiro e ainda se houve identificação por parte do policial militar, como garantiu Zilda

Campo Grande News

17 de Maio de 2011 - 10:53

O delegado de Polícia Civil Humberto Peres de Lima pode voltar a ouvir a guarda municipal de Dourados Zilda Ramires, 44 anos, no inquérito em que o policial federal Leonardo de Lima Pacheco, 38 anos, foi indiciado pela morte do policial militar Sandro Morel e pela tentativa de homicídio conta outro PM, José Pereira, ocorridas no dia 8 de maio.

Zilda já prestou depoimento, no dia do crime, mas diante do depoimento de ontem do agente da polícia federal, foram evidenciadas divergências na versão contada pela guarda e por ele para o que aconteceu no prédio onde Leonardo mora. A dúvida principal é sobre quem atirou primeiro e ainda se houve identificação por parte do policial militar, como garantiu Zilda.

O policial afirmou que agiu em legítima defesa, que não houve identificação e que primeiro foi atingido por um disparo por parte de Sandro Morel, que, junto com Zilda e José Pereira, foi até o apartamento de Leonardo para investigar a suspeita da guarda de que ali morava um traficante.

Essa suspeita surgiu de uma conversa de Zilda com Leonardo na internet, em que ele propôs a ela um encontro sexual e ela exigiu saber a profissão dele para poder ir ao local.

O policial federal disse ao delegado que chegou a perder o interesse por Zilda quando ela condicionou o encontro ao pagamento de um valor e que disse ser traficante até para que ela desistisse, o que não aconteceu. O relato dele é que, ao contrário disso, a guarda se mostrou mais interessada e não reprovou a suposta profissão.

Encaminhamento - O depoimento durou 5 horas. O delegado disse que agora os interrogatórios serão confrontados e, se necessário, tanto Zilda quanto o outro policial serão ouvidos novamente.

Ele também aguarda os resultados da balística e da perícia nos computadores do agente e da guarda municipal.

Ela está afastada dos serviço, pela corporação e por ter apresentado atestado médico, e responde a sindicância. Ele também responde a sindicância, mas não foi afastado do trabalho, embora não tenha voltado ainda por causa do ferimento a bala que sofreu.