Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 27 de Fevereiro de 2021

Policial

Quadrilha que usava criança de três anos comprava droga em MS

A droga era adquirida nos estados de Mato Grosso do Sul e Paraná, trocada por automóveis ou por meio de depósitos bancários em nome de “laranjas"

Correio do Estado

10 de Outubro de 2014 - 09:25

A Polícia Federal (PF), junto com o Batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam), deflagrou uma operação contra a quadrilha que comandava o tráfico de drogas na Região Oeste de Belo Horizonte, atuando também no Centro da cidade. A ação policial começou na madrugada desta quinta-feira (9), no Aglomerado Morro das Pedras. Onze pessoas foram presas.

A droga era adquirida nos estados de Mato Grosso do Sul e Paraná, trocada por automóveis ou por meio de depósitos bancários em nome de “laranjas”. Segundo a PF, um deles é uma criança de 3 anos de idade, filha do líder do bando.

As investigações começaram em outubro do ano passado e identificaram vários depósitos para esse fim, totalizando R$ 1.350.000,00 em transferências para contas em Mato Grosso do Sul e Paraná entre outubro de 2012 e fevereiro de 2014. O líder do grupo tinha antecedentes por homicídio, tráfico de drogas e estava em prisão domiciliar.

Ainda de acordo com a Polícia Federal, 120 policiais federais e militares participaram do cumprimento de 18 mandados de busca e apreensão e 17 de prisão temporária, todos expedidos pela Justiça de Minas. Dos 11 presos, dois foram conduzidos em flagrante por porte ilegal de arma de fogo e posse de drogas.

Também foram apreendidos três veículos avaliados em cerca de R$ 250 mil, três motocicletas, um revólver calibre. 38, 80 pinos de cocaína, aproximadamente R$ 65 mil em dinheiro e quatro máquinas caça-níqueis.

Os 17 integrantes da quadrilha foram indiciados pela Polícia Federal. Eles devem responder por tráfico interestadual de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa, podendo ser condenados a 40 anos de prisão. Outros podem responder por posse de arma de fogo e lavagem de dinheiro, cuja pena é 18 anos de prisão.