Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 31 de Outubro de 2020

Policial

Traficante de ‘mentirinha’ é detido com falsas pedras de crack e se diz enganado

Após a abordagem os PMs encontraram vários saquinhos de plástico com pequenas porções do que o rapaz disse ser crack.

Dourados News

02 de Agosto de 2014 - 09:38

Um fato curioso aconteceu ontem por volta das 20h em Dourados depois que policiais do Getam (Grupo Especializado Tático Motorizado) da Polícia Militar detiveram um homem de 23 anos que, teoricamente, seria um traficante confesso.

De acordo com as informações da polícia o rapaz estava de moto na Rua Paysandu, no Jardim Laranja Doce, e os policiais suspeitaram do comportamento dele. Após a abordagem os PMs encontraram vários saquinhos de plástico com pequenas porções do que o rapaz disse ser crack.

O suposto acusado, que é morador da aldeia Jaguapiru, em Dourados, foi então encaminhado para a delegacia, onde confessou ser traficante. Ele disse em depoimento que vendia drogas há pelo menos dois anos, e que cada um dos saquinhos de crack que tinha transformava em pelo menos dez papelotes para venda.

Como é de praxe, a perícia da Polícia Civil foi acionada para confirmar que o material apreendido era realmente droga, mas isso não aconteceu. Após testes, os policiais acabaram descobrindo que o que foi apreendido com o rapaz não era nenhum tipo de entorpecente, mas não conseguiram identificar do que se tratava.

O rapaz se mostrou surpreso e decepcionado com a situação, e disse que havia comprado a suposta droga de um ‘desconhecido’. De acordo com a polícia, como a lei não prevê nenhum tipo de enquadramento para quem é pego com ‘droga falsa’, o rapaz acabou ouvido e liberado em seguida.

No entanto, as investigações da polícia continuam para identificar de onde saiu o falso entorpecente. O ‘traficante de mentirinha’ já tinha passagens por tráfico de drogas. O material encontrado com ele foi encaminhado para análise. Com o rapaz, foi apreendido também a moto em que ele estava e R$ 30 em dinheiro, o que, segundo a suspeita da polícia, pode indicar que ele já tinha vendido a droga ‘falsa’ para alguns usuários.