Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 6 de Julho de 2022

Policial

Valentões são acusados de executar mãe e filho a tiros

O rapaz questionou sobre o que eles teriam feito com sua mãe e um deles respondeu que “fizeram o que tinha que ser feito”.

Da Hora Bataguassu

03 de Dezembro de 2015 - 09:27

Marcelo Ferreira da Silva, de 26 anos, foi assassinado com tiros no olho e no peito, enquanto sua mãe Damiana da Costa Ferreira Silva, de 48 anos, foi executada com tiros na cabeça. Os crimes aconteceram na noite da última segunda-feira (30), no Assentamento Mutum, que fica no município de Brasilândia, mas a polícia só conseguiu chegar no local na madrugada do dia seguinte.

Nivaldo Pereira dos Santos, 44 anos, e seus filhos Anderson Silva dos Santos, 20, e Guilherme da Silva dos Santos, 22, todos com fama de “valentões”, são os acusados. Os crimes teriam sido motivados por conta de um acidente de trânsito, no ano passado.

De acordo com o site, os suspeitos chegaram na casa das vítimas e passaram a brigar com Marcelo. Um vizinho relatou à polícia que um garoto de 9 anos, irmão de Marcelo, se escondeu no quintal. Ao chegar no sítio, a testemunha se deparou com as vítimas agonizando.

Informado sobre a confusão, um outro filho de Damiana então seguiu para a casa da mãe e, no caminho, foi abordado por Nivaldo e seus filhos. Ele contou que foi constrangido, ameaçado pelo trio e obrigado a pegar uma arma de fogo no interior do carro ocupado pelos autores.

O rapaz questionou sobre o que eles teriam feito com sua mãe e um deles respondeu que “fizeram o que tinha que ser feito”.

Ao chegar no sítio, o jovem encontrou sua mãe e seu irmão mortos, ocasião em que acionou a Polícia Militar (PM) de Brasilândia.

MOTIVAÇÃO
De acordo com o parente das vítimas, sua família morava no assentamento há 13 anos. Já Nivaldo e os filhos Anderson e Guilherme sempre tiveram fama de valentes e podem ter praticado os assassinatos por conta de uma desavença antiga.

Desde que se envolveu em um acidente de trânsito com um dos filhos de Nivaldo, em 2014, é que Marcelo sofria ameaças. O trio também é suspeito de atear fogo em um carro da família.

Os autores fugiram do local em um veículo Uno e ainda não foram encontrados.