Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 26 de Outubro de 2021

Política

Deputada diz que é contra financiamento público de campanha

Já o deputado Zé Teixeira (DEM) concorda com Mara Caseiro. Ele afirma que, se o dinheiro a ser injetado na campanha eleitoral for lícito, não há problemas.

Assessoria

03 de Julho de 2013 - 10:53

A deputada estadual Mara Caseiro (PTdoB) se posicionou nesta quarta-feira (3) contra o financiamento público exclusivo de campanha, um dos pontos polêmicos da Reforma Política que tramita no Congresso Nacional. Para ela, o sistema funcionaria se não houvesse corrupção e o chamado “jeitinho brasileiro” no País, o que não é o caso.

“Se estivéssemos em um País sério, e a campanha fosse igualitária, seria muito bom. Financiamento público exclusivo de campanha, dentro desse sistema corrompido, aconteceria da seguinte maneira: um financiamento legalizado e o outro ilegal. Essa igualdade ficaria apenas no papel”, criticou.

Na opinião de Mara Caseiro, a solução é a mudança de consciência do eleitor e da própria classe política. “O primeiro passo é a aprovação urgente da Reforma Política”, disse.

Outros parlamentares se revezaram nos microfones da Assembleia Legislativa para debater a questão. O petista Pedro Kemp defendeu o financiamento, alegando que a população está cada vez mais consciente e a fiscalização da Justiça Eleitoral tem funcionado. Um exemplo disso foi a cassação de oito prefeitos de Mato Grosso do Sul, acusados, entre outras irregularidades, de compra de votos.

Já o deputado Zé Teixeira (DEM) concorda com Mara Caseiro. Ele afirma que, se o dinheiro a ser injetado na campanha eleitoral for lícito, não há problemas. “Se o candidato quiser vender seus bens para financiar sua própria campanha, não vejo empecilhos”, comentou.

O financiamento público de campanha prevê a criação de um fundo de recursos públicos destinado a partidos políticos, de acordo com sua representação no Congresso Nacional. O recurso seria o único permitido para as campanhas eleitorais.

Defensores do financiamento exclusivamente público afirmam que as doações de campanha são fontes de corrupção. Já os críticos da proposta dizem que, com o financiamento público, o poder dos grandes partidos provavelmente se fortalecerá.

Alguns também entendem que não é democrático impedir que particulares possam colaborar com instituições que realmente acreditam, se estiverem bem-intencionados. Outros afirmam que o financiamento público não acaba com a corrupção.