Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 24 de Outubro de 2021

Política

Dilma Rousseff deve participar de marcha dos prefeitos

Dilma pediu à sua equipe um levantamento das reivindicações apresentadas pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e do que poderá ser atendido pelo governo.

Folha.com

08 de Julho de 2013 - 08:09

A presidente Dilma Rousseff discutiu no domingo (7) com assessores a sua participação na marcha dos prefeitos, que está programada para esta terça-feira, em Brasília. Dilma ainda não confirmou sua presença no encontro, cujo tema é "A crise e o desequilíbrio", mas, segundo colaboradores, a tendência é que participe do ato. As ações na área da saúde deverão ser o centro da exposição da presidente.

Sua avaliação, segundo assessores, é que os anúncios na área de saúde dão motivo para que esteja no encontro. Além da promessa de acelerar a liberação de R$ 7 bilhões para o setor, Dilma pretende detalhar o lançamento do edital para a fixação de 10 mil médicos, brasileiros e estrangeiros, nas cidades do interior do país.

Dilma pediu à sua equipe um levantamento das reivindicações apresentadas pela CNM (Confederação Nacional dos Municípios) e do que poderá ser atendido pelo governo. Num momento de contenção de despesas, está descartada a possibilidade de ampliação de recursos e da participação dos municípios no bolo tributário.

CORTES

Dilma se reuniu com o ministro Guido Mantega (Fazenda) no domingo para definição de cortes dos gastos previstos para este ano. O ministro já afirmou que o enxugamento ficará abaixo de R$ 15 bilhões. Mas, segundo interlocutores da presidente, a intenção é que o corte do orçamento seja anunciado antes da quarta-feira, quando o Copom (Comitê de Política Monetária) deverá fixar a taxa de juros.

A onda de protestos é apontada como mais uma razão para a presidente participar do encontro. Integrantes do governo lembram que Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nunca faltaram à marcha. Não é agora, num momento de manifestações pelo país, que a presidente deve deixar de ir.