Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 17 de Outubro de 2021

Política

Governo federal anuncia reuniões periódicas com prefeitos

O presidente Paulo Ziulkoski explicou que os encontros serão com um grupo reduzido, ao contrário do que ocorre anualmente na Marcha dos Prefeitos.

DE BRASILIA

11 de Julho de 2013 - 15:09

A presidenta Dilma Rousseff definiu a criação de um canal de diálogo com prefeitos para ouvir e dar respostas às demandas municipais.  A decisão foi tomada hoje em reunião entre Dilma Rousseff, a ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, e o presidente da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), Paulo Ziulkoski. A previsão é que o governo estabeleça uma agenda para três a quatro encontros anuais.

A ministra Ideli Salvatti destacou que a intenção é manter uma negociação permanente com os prefeitos e reafirmar o compromisso de parceria do governo federal com as administrações municipais.

“Reafirmamos os compromissos da presidenta Dilma e do seu governo de ir ao encontro das necessidades da população brasileira, que são, na sua grande maioria, atendidas pelos municípios”, disse.

A medida foi bem recebida pela CNM. O presidente Paulo Ziulkoski explicou que os encontros serão com um grupo reduzido, ao contrário do que ocorre anualmente na Marcha dos Prefeitos.

“O mais importante é que essa relação que se estabelece agora vai distensionar, vai flexibilizar e isso vai permitir que os próprios prefeitos tenham uma concepção melhor e um encaminhamento melhor. Não vamos ter a ilusão de que vamos resolver tudo em um ano ou dois, mas vamos tentar encaminhar questões objetivas”, disse Ziulkoski.

A decisão de se reunir periodicamente com prefeitos veio um dia após a participação de Dilma na 16° Marcha dos Prefeitos, quando ela ouviu pedidos dos prefeitos para que se pronunciasse sobre o FPM (Fundo de Participação dos Municípios) durante discurso e, ao não fazê-lo, enfrentou um misto de vaias e aplausos ao encerrar o pronunciamento. Um dos itens da pauta do encontro era a reivindicação de aumento entre 1% e 2% no FPM.

No discurso, a presidenta anunciou aos prefeitos R$ 3 bilhões para custeio de serviços públicos. Mais tarde, a ministra da Secretaria de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, detalhou à imprensa que o repasse emergencial de R$ 3 bilhões aos municípios corresponde a 1% do FPM (Fundo de Participação dos Municípios).

Desde o início da onda de manifestações nas ruas do país, a presidenta tem recebido grupos e representantes de movimentos sociais para discutir as demandas apresentadas durante as manifestações. Dilma já esteve com representantes de índios, de entidades ligadas à juventude, direitos homossexuais e entidades do campo.