Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 25 de Setembro de 2020

Política

Mandetta descarta eleição este ano e diz que '2022 está longe'

Questionado se deve concorrer a algum cargo eletivo, o ex-ministro afirmou que este ano não.

Correio do Estado

05 de Maio de 2020 - 13:58

Mandetta descarta eleição este ano e diz que 2022 está longe

Ex-ministro da Saúde e ex-deputado federal, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) descartou que será candidato nas eleições municipais deste ano, previstas para outubro, durante entrevista. Exonerado do cargo pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no dia 16 de abril, o sul-mato-grossense deixou o governo federal com aprovação de 76%, índice maior do que o do chefe da nação.

Pesquisa do Datafolha divulgada no início do mês passado mostrou que a aprovação do Ministério da Saúde era o dobro da aprovação do presidente Jair Bolsonaro. Segundo o instituto, o presidente recebeu aprovação de 33%.

Além das divergências entre Mandetta e Bolsonaro nas ações de combate ao novo coronavírus (Covid-19) – o então ministro recomendava o isolamento social e o presidente quer a continuidade da economia e do comércio –, nos bastidores, a informação é de que o chefe de Estado ficou com ciúmes do destaque de Mandetta na imprensa, que ficava ainda mais popular que ele e o então ministro da Justiça, Sergio Moro, que pediu exoneração uma semana após a saída de Mandetta.

Questionado se deve concorrer a algum cargo eletivo, o ex-ministro afirmou que este ano não. “Em 2020, definitivamente não, só tem prefeito, vice e vereador. Não estou a par dos problemas, tem que estudar, se preparar, entender com bastante antecedentes. Não tenho nenhum plano para isso. E 2022 está muito longe. Política é destino, vamos aguardar”, disse sem descartar.

Sobre o apoio do DEM à reeleição do prefeito e seu primo, Marcos Trad (PSD), Mandetta destacou que a intenção é esta, porém, depende de deliberação da maioria do partido.

“A convenção é em julho, quando delibera, tudo nos leva a crer que vamos por esse caminho. A gente não sabe o dia de amanhã. Não tendo nenhuma mudança no quadro, continuamos apoiando o Marcos, como apoiamos em 2016. Para ele dar continuidade no trabalho, está mais maduro, aprendeu, mas pode fazer mais. Pode fazer um mandato melhor do que o primeiro. Eu estava muito distante, acho que ele fez o que era dentro do possível. Se tiver voto no partido, o meu voto é para que mantenha, se não tiver nada diferente. Mas eu sou muito democrático, posso ser convencido”, afirmou o ex-ministro sobre a possibilidade de mudar seu apoio.

A expectativa de Mandetta é de que o DEM consiga eleger ao menos cinco vereadores em Campo Grande. O político está responsável pela pasta na Capital, conforme divisão feita pelos líderes da agremiação. Em Dourados, o deputado José Carlos Barbosa deve ser candidato a prefeito.