Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 4 de Março de 2024

Política

Pastor transfere culto para local de manifestações em protesto ao resultado da eleição

Após a desobstrução da rodovia, os manifestantes se concentram em menor número em frente ao Auto Posto Global.

Marcos Tomé/Região News

03 de Novembro de 2022 - 07:37

Pastor transfere culto para local de manifestações em protesto ao resultado da eleição
Pastor Adilson Machado e fiéis durante o protesto. Foto: Divulgação.

O grupo de bolsonaristas que desde segunda-feira protestam na saída para Maracaju, primeiro bloqueando a pista e depois às margens da BR-060, neste domingo teve o reforço do pastor Adilson Machado, da Igreja Evangélica em Sidrolândia - IES. Pelas redes sociais, o pastor anunciou a transferência do culto neste terça-feira (02) para o local da manifestação e incentivou os fiéis a se juntar aos manifestantes porque o momento "seria o de agir e demonstrar indignação", diante da derrota do presidente nas urnas.

Não seremos covardes e omissos. Queremos uma nação livre do comunismo do inferno” Adilson Machado.

Pastor transfere culto para local de manifestações em protesto ao resultado da eleição
O pastor anunciou a suspensão de culto e incentivou os fiéis a se juntar aos manifestantes. Foto: Divulgação.

Na segunda-feira desde as primeiras horas da manhã os bolsonaristas fecharam a BR-060 na altura do Posto Martinelli. O advogado Bhennhur Rodrigo tentou furar o bloqueio com o Hyundai HB20. Fez três disparos de pistola 9 milímetros e acabou preso pela Policia Rodoviária Federal. A arma e 48 munições foram apreendidas. O advogado foi colocado em liberdade após pagar a fiança arbitrada em R$ 1.200,00.

A ex-presidente da Associação Empresarial, Joelma Spalding, presente à manifestação, acabou atropelada no tumulto e teve de ser encaminhada para a Santa Casa. Após a desobstrução da rodovia, os manifestantes se concentram em menor número em frente ao Auto Posto Global.  Evangélicos fizeram vigília em oração durante os protestos. “Não seremos covardes e omissos. Queremos uma nação livre do comunismo do inferno”, disse o líder religioso aos fiéis durante o protesto.