Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 24 de Novembro de 2020

Política

PDT reivindica vice de Delcídio e quer chapa federal em coligação com PT

O presidente regional do PDT, João Leite Schimidt, informou, porém, que não há um nome definido. “Isso fica mais para frente”, afirmou ele.

Campo Grande News

20 de Março de 2014 - 14:56

Em ampla reunião nesta manhã, com a participação de dirigentes estaduais e municipais, prefeitos, ex-prefeitos e parlamentares, o PDT voltou a reivindicar nesta quinta-feira (20) a vaga de candidato a vice-governador na chapa a ser encabeçada pelo senador Delcídio do Amaral (PT). O partido também fechou questão, durante a reunião no auditório da Anoreg, quanto à composição e forma de disputa para as chapas de candidatos a deputado federal e estadual.

Quanto à reivindicação da vaga de vice-governador, o PDT trabalha com a perspectiva de indicar um nome de Dourados, por ser o segundo maior colégio eleitoral de Mato Grosso do Sul e pela localização estratégica na região sul do Estado. O presidente regional do PDT, João Leite Schimidt, informou, porém, que não há um nome definido. “Isso fica mais para frente”, afirmou ele.

A reivindicação da vaga de vice-governador, conforme Schimidt, não é condição para o fechamento da aliança com o PT. “O PDT reivindica a vaga de vice, assim como outros partidos também, mas isso não é preponderante. A gente quer é ganhar a eleição”, declarou o ex-deputado federal e conselheiro aposentado do Tribunal de Contas do Estado.

No que se refere às candidaturas proporcionais, João Leite disse que o PDT terá chapa pura para deputado estadual, com 30 candidatos, e coligação com o PT para deputado federal, com seis candidatos. Em relação à chapa federal, a prioridade do PDT é a eleição do ex-deputado Dagoberto Nogueira Filho.

A reunião de hoje teve a finalidade de “democratizar o processo” de discussão sobre a participação do PDT nas eleições deste ano, segundo o presidente estadual da legenda. “A Executiva já tinha discutido, o Diretório Regional também e agora resolvemos ouvir todo mundo”, disse Schimidt.