Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Terça, 18 de Junho de 2024

Política

Procuradora defende manutenção de aliança PMDB/PT em Sidrolândia

Em sua justificativa ressalta que este posicionamento já havia sido referendada pelo comando partidário central.

Flávio Paes/Região News

21 de Agosto de 2012 - 14:00

Se depender da procuradora regional eleitoral, Danice Vanessa Camy, o Tribunal Regional Eleitoral vai manter a decisão do titular da 31ª Zona Eleitoral. O juiz  Marcelo Ivo de Oliveira  validou o registro da aliança do PT com o PMDB na disputa pela Prefeitura de Sidrolândia, que é contestada por um grupo de petistas favorável ao alinhamento com o PSDB.

A representante do Ministério Público deu parecer contrário ao recurso apresentado por Joana Marques de Almeida, candidata a vereadora da chapa alinhada com os tucanos, sob argumento de que houve irregularidade na convenção petista em que foi homologado apoio a chapa peemedebista encabeçada pelo empresário Acelino Cristaldo.

Ela também rejeita a possibilidade do PT lançar uma chapa independente de vereador, defendendo a preservação da aliança na chapa proporcional com PDT, PT do B e PSC. A procuradora não acolheu os argumentos historiando o racha petista até o seu desfecho.

Foram realizadas três reuniões municipais, uma, em 23 de junho de 2012, na Câmara Municipal, que contou inclusive com a presença do vice-presidente regional do PT, onde foi encaminhado o acordo como PMDB; outra, no dia seguinte, sob a presidência de Gilmar Antunes, onde se decidiu em convenção a coligação com o PSDB e foi definida uma chapa com 20 candidatos a vereador.

Finalmente, no dia 30, sob a presidência de Eliane Salvati em que foi confirmada a aliança com o PMDB, formando-se a Coligação “Mais Trabalho por Sidrolândia”, que teve o registro deferido em primeira instância. Com a decisão da Executiva Nacional do PT no dia 23 de junho aprovou o apoio ao candidato do PMDB, anulando a convenção realizada no dia 24 de junho favorável ao PSDB, a procuradora entende que não resta outra alternativa à Justiça Eleitoral, a não ser homologar a convenção do dia 30 de junho (de alinhamento com Acelino Cristaldo).

Em sua justificativa ressalta que este posicionamento já havia sido referendada pelo comando partidário central. Ela reconhece a autoridade “do órgão de cúpula da agremiação que agiu no evidente intuito de preservar a unidade partidária, entendimento que se alinha às recentes decisões dessa corte no sentido de prestigiar-se a autonomia e a hierarquia partidária”.