Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 20 de Setembro de 2020

Política

Tereza Cristina firma acordo técnico na Alemanha, passa por Itália e segue para a Índia

Com a missão, ministra tem o intuito de estabelecer acordos comerciais com países

Correio do Estado

21 de Janeiro de 2020 - 15:28

A ministra  da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina Dias, esteve na Alemanha na última semana onde participou do Fórum Global da Alimentação e da Agricultura (GFFA) para debater a agricultura do futuro. Os governos do Brasil e da Alemanha assinaram no sábado (18) um memorando de entendimento para Diálogo Agropolítico Alemão-Brasileiro.

Conforme a ministra informou por meio das redes sociais, o primeiro compromisso em Berlim foi o Seminário Criando Parcerias para uma Agenda Estratégica em Agricultura Sustentável, realizado na Embaixada do Brasil, onde foi apresentado um documento com as diretrizes do Ministério da Agricultura para o desenvolvimento sustentável da agropecuária brasileira.

“A criação de uma agenda não é uma prioridade somente do Brasil e da Alemanha, mas sim de todos os países. Essa discussão envolve dois grandes desafios globais: segurança alimentar e sustentabilidade ambiental. O Brasil é um dos poucos países com capacidade de responder simultaneamente a esses dois desafios. Somos o terceiro maior exportador de alimentos do mundo e ao mesmo tempo possuímos 66,3% do território coberto por vegetação nativa. Esse cenário é resultado do aumento da produtividade no campo associado ao desenvolvimento de políticas e mecanismos de proteção do meio ambiente”, explicou a ministra no Instagram.

Ainda na Alemanha, Tereza Cristina se reuniu com a ministra da Alimentação e Agricultura da Alemanha, Julia Klöckner, e assinou um memorando de entendimento entre os países. Para promover a cooperação técnica, intercâmbio de informações (seminários, feiras, cursos), visitas técnicas e publicação de material conjunto em diversos setores da agricultura, como bioeconomia, gestão sustentável (solo e água), cadeias agroalimentares sustentáveis, financiamento rural, política agrícola e conectividade. Um grupo, formado por representantes dos dois países e de setores do agro brasileiro e alemão, irão traçar um plano de trabalho e coordenar a execução. O acordo tem duração de três anos, podendo ser prorrogado.

“Esse acordo vai aproximar mais os dois países, trocaremos conhecimento e nós poderemos mostrar a tecnologia que desenvolvemos para criar a agricultura tropical brasileira”, disse Tereza Cristina.

A assinatura ocorreu após reunião de ministros da Agricultura que participam do Fórum Global da Alimentação e da Agricultura, com a participação de mais de 200 ministros e secretários de todo o mundo. No encontro, Tereza Cristina reforçou que apenas 2,3% do território da Amazônia são usados para produção agrícola e 10,5% para pecuária, ou seja, mais de 85% do bioma estão preservados.

Ela destacou que o Brasil irá difundir o modelo de sistema de plantio direto, que passou a ser bastante usado no país nas últimas décadas, por propiciar a produção com menor impacto no solo e maior rentabilidade ao produtor. Os ministros assinaram uma declaração final em que se comprometeram na busca por uma agricultura sustentável para atender a demanda global por alimentos.

Com o fim dos compromissos na Alemanha, a ministra segue para a Índia onde terá uma agenda com seus colegas locais antes de integrar-se à comitiva do presidente Jair Bolsonaro. Antes, Tereza Cristina fez uma parada na Itália, para um encontro bilateral no Ministério da Agricultura local. “Em uma rápida passagem pela Itália, em Roma, estive com a minha xará e ministra de Agricultura, Teresa Bellanova. Debatemos formas de aprofundar a agenda bilateral. Mais comércio e mais cooperação!”, disse nas redes socias a ministra.

Na Índia, o governo brasileiro vislumbra o potencial do mercado, que tem mais de 1,3 bilhão de habitantes e deve ultrapassar a China como país mais populoso do mundo nos próximos dez anos. Os detalhes da agenda ainda não foram divulgados, mas a ministra terá três dias de compromissos oficiais até a chegada do presidente Jair Bolsonaro, prevista para a sexta-feira (24).