Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 27 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Acabou: Transporte universitário gratuito será suspenso a partir de quarta-feira

A suspensão da gratuidade a 45 dias de encerrar o ano letivo tem como agravante o fato da maioria dos alunos entrar em novembro no período de provas finais.

Flávio Paes/Região News

23 de Outubro de 2013 - 23:03

O transporte universitário gratuito, que há oito anos é custeado pela Prefeitura de Sidrolândia será oferecido somente até quarta-feira, dia 30. A partir da quinta-feira, dia 31, os cerca de 800 estudantes terão de se cotizar para dividir o custo de fretamento dos 16 ônibus da Vacaria Transporte que presta o serviço.

 Os desdobramentos da suspensão da gratuidade a 45 dias de encerrar o ano letivo são agravados com o fato da maioria dos alunos entrar em novembro no período de provas finais. O empresário Moacyr Almeida, dono da empresa de transporte, afirmou a reportagem do regiaonews que por sugestão do prefeito Ari Basso, a partir de sábado a Vacaria colocará à disposição dos interessados a planilha com o custo mensal de locação de cada veículo.

Numa estimativa superficial, tomando como referência a lotação de 50 lugares por ônibus, cada estudante vai desembolsar R$ 275,00 por mês, R$ 13,75 por dia (de segunda a sexta-feira). Os 16 ônibus que fazem atualmente o serviço custam aos cofres públicos R$ 220 mil por mês. Caso de fato o transporte universitário seja suspenso 25 funcionários da empresa serão demitidos.

A suspensão do serviço sob o patrocínio da Prefeitura foi comunicado aos estudantes nesta quarta-feira, momentos antes do embarque na praça central. O empresário tomou a decisão depois de uma conversa que manteve à tarde com o prefeito. Ari Basso comunicou ao prestador do serviço que o município não terá condições de pagar o transporte nos meses de novembro e dezembro.

 O prefeito lembrou que serão dois meses de agravamento das dificuldades financeiras porque começa a ser pago o reajuste salarial de 6,5% concedido aos servidores municipais efetivos. A administração municipal vai precisar reforçar o caixa para pagar num período de 40 dias três folhas de pagamento: os salários de novembro, dezembro, o 13º e a indenização de férias dos professores.

Diante desta perspectiva de dificuldades financeiras, o prefeito pediu para o empresário manter o serviço no restante do ano letivo, se comprometendo a pagar em 2014 os dois meses em atraso remanescentes deste ano. Moacyr Almeida concordou com a proposta, desde que o prefeito garantisse o pagamento de R$ 400 mil em atraso, valor referente à dívida deixada pela administração do ex-prefeito Daltro Fiúza, encerrada em 31 de dezembro.

Dos R$ 575 mil que a gestão passada deixou de pagar do transporte universitário, a atual gestão só quitou aproximadamente R$ 175 mil. De pronto o prefeito respondeu que não teria como pagar os atrasados. Foi então que o empresário tomou a decisão de só manter o serviço até a próxima quarta-feira.

A partir da quinta-feira, dia 31, só vão sair da garagem com lotação completa e o custo do fretamento pago pelos estudantes. Moacir diz que não pretende repetir a experiência de anos anteriores quando manteve o serviço, mesmo ficando vários meses sem receber da Prefeitura.

“Não vou colocar em risco a sobrevivência da minha empresa”, assegura. Ele lembra  que  em 2010, o então prefeito Daltro Fiúza deixou acumular uma dívida de quase R$ 2 milhões e em 2012, a situação se repetiu em menor proporção, quando não foram pagos os meses de outubro, novembro e dezembro.

Corte do transporte

O fim da gratuidade do transporte universitária já foi antecipada pelo prefeito na própria proposta orçamentária de 2014. Os recursos foram reduzidos de R$ 2.997 milhões para R$ 1.750 milhão que diminuirá de 16 para 8 o número de ônibus em circulação (7 para os estudantes que vão para  Campo Grande 1 para Maracaju). O transporte universitário custa R$ 331 mil por mês,  valor em que se computa os R$ 220 mil pagos a Vacaria pelo fretamento da frota  da praça central até as instituições de ensino na Capital e Maracaju e dos ônibus que trazem os estudantes dos assentamentos,aldeias e de Quebra Coco.