Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 6 de Março de 2021

Sidrolandia

Detran promete licitar em novembro obras de reforma e ampliação da Ciretran

Em dias de maior movimento chegam a passar pela Ciretran cerca de 150 pessoas num intervalo de 6 horas, das 7h30 as 13h30

Flávio Paes/Região News

25 de Setembro de 2014 - 13:00

As obras de reforma e ampliação do prédio da Ciretran de Sidrolândia dificilmente serão iniciadas neste ano. Os projetos elétrico, hidráulico e estrutural devem ficar prontos só dentro de 20 dias e com isto, na melhor das hipóteses a licitação da obra será lançada em novembro. Como o processo licitatório só deve ficar pronto na primeira quinzena de dezembro, dificilmente haverá tempo hábil para os serviços serem iniciados ainda em 2014.

Há três meses o diretor-geral do Detran, Carlos Henrique Santos Pereira, recebeu uma delegação de Sidrolândia, comandada pelo prefeito Ari Basso e com a participação de vereadores. Nesta audiência, Santos Pereira previu que daqui a 40 dias (foi dia 25 de julho), em setembro, seria assinada a ordem de serviço.

Junto com a reforma e ampliação, o prédio atual (construído há 20 anos) de 75 metros quadrados terá mais 32 metros quadrados de área construída, além de um espaço coberto de 92 metros para as vistorias. O prédio vai ter uma sala de captação de imagens para vistoria com elevador; outra para placas, além de ampliar o número de guichês de atendimento. A Ciretran passará da categoria 3 para 2, o que elevará o número de atendentes de quatro para 10.   

Em dias de maior movimento chegam a passar pela Ciretran cerca de 150 pessoas num intervalo de 6 horas, das 7h30 as 13h30. Este número só não é maior porque alguns serviços são oferecidos online. São mais de 2 mil atendimentos entre os últimos dois dias do mês (vencimento de placa) e os 10 primeiros, em decorrência do inicio do mês.

A frota atual do município é de 13.712 veículos (carros, caminhões, motocicletas, ônibus etc..) número que acompanhou o crescimento da cidade nos últimos anos. O corretor imobiliário, Clédio Santiani, conta que passou toda uma manhã a espera por atendimento. “Um absurdo. Perdi praticamente o dia só pra resolver uma questão simples”, conta.