Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Janeiro de 2021

Sidrolandia

Enelvo pede paciência aos aliados e deixa para janeiro nomeação do 2º escalão

Uma das preocupações de Felini é não inchar a folha de pagamento

Flávio Paes/Marcos Tomé

03 de Dezembro de 2012 - 09:38

Mesmo o anúncio do secretariado, concluído no sábado pelo prefeito eleito Enelvo Felini, não serviu para tranquilizar as principais lideranças dos partidos que estiveram no palanque do PSDB. Lideranças e candidatos a vereador não eleitos do  Democratas, PPS, PTB, PMN, PSL, PSDC, PHS ,  PMN e  PTC,  além dos petistas e dos próprios tucanos, têm assediado Enelvo na expectativa de uma resposta positiva para suas expectativas de emprego ou cargo na futura administração.

Enelvo pediu paciência aos aliados porque só pretende preencher os cargos em comissão (de livre nomeação sem concurso) ao longo do mês de janeiro, quando tiver exata noção da situação financeira que receberá a prefeitura. Uma das preocupações de Felini é não inchar a folha de pagamento e com isto inviabilizar a retomada de uma série de obras com recursos federais assegurados, mas que exigem um mínimo de recursos próprios para garantir as contrapartidas.

O futuro prefeito não pretende ceder as pressões do PT que cobra a transformação em secretaria da Coordenadoria de Planejamento e assim garantir o status (e o salário ) de secretário ao ex-secretário Márcio Marqueti, indicado para o cargo. Ele pretende unificar as secretarias de Infraestrutura e Serviços Urbanos. Por enquanto, o produtor Felix Bernard.

O prefeito Daltro Fiuza deve pagar o 13º salário, mas ficará para o futuro prefeito, o pagamento até o 5º dia útil de janeiro da folha e das rescisões dos comissionados (basicamente indenização de férias proporcionais). Ficarão reservados para estes compromissos, os primeiros repasses do ICMS e FPM (Fundo de Participação dos Municípios), ainda relativos a dezembro, para que são liberados nos primeiros 10 dias de janeiro.

O prefeito também está preocupado com o custo do processo de enquadramento dos servidores municipais com base no plano de cargos e carreiras, aprovado em 2011, mas que tem desdobramentos ao longo de 2013, com a concessão de adicionais por tempo de serviço (3% a cada três anos de serviço); pagamento de insalubridade e periculosidade que passou por um processo de revisão neste ano (a partir do laudo de um engenheiro especialista em segurança do trabalho) 

Outra novidade do plano de cargos é a progressão vertical, assegurada aos servidores que se qualificarem avançando nos estudos. A mudança de nível garante um incremento de 12% nos salários. A inovação beneficia o servidor de nível médio que concluir cursos de capacitação e treinamento e também o pessoal de nível superior.