Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 23 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Maracaju vai transformar óleo de cozinha usado em sabonetes e detergentes

02 de Fevereiro de 2011 - 11:00

A Secretaria de Trabalho e Assistência Social (Setas) selecionou 13 trabalhos para participar do Projeto de Inclusão Produtiva do governo do Estado, que vai investir R$ 1 milhão no combate a pobreza e desigualdades sociais em Mato Grosso do Sul.

O município de Maracaju foi contemplado com o Projeto Cheiro da Terra, que beneficia famílias de baixa renda capacitando-as para a fabricação de sabonetes e detergentes usando como matéria-prima o óleo de cozinha usado.

O projeto tem como base o desenvolvimento sustentável, a qualificação profissional, o incentivo a produção e a comercialização de produtos a partir da utilização de recursos regionais disponíveis e atendem os beneficiários de programas sociais, como Vale Renda, Bolsa Família, Prójovem e o Beneficio de Prestação Continuada (BPC).

 O custo do projeto apresentado pelo Município corresponde à gestão na qual a cidade está classificada, segundo as normas estabelecidas pelo Sistema Único de Assistência Social (SUAS) e variam de R$ 20 mil a R$ 70 mil. Os projetos contemplados devem ser executados no prazo máximo de um ano, com possibilidade de mais um ano de prorrogação.

As matérias primas coletadas para a utilização no Projeto consistem de resíduos de óleo de cozinha usado em restaurantes, hotéis, escolas, hospitais e residências, gordura bovina de frigorífico, embalagens plásticos e resíduos sólidos agrícolas, mais álcool, soda caustica e essências aromáticas. A Secretaria Municipal de Assistência Social de Maracaju montou uma logística para fornecer galões e buscar o óleo usado

Os objetivos específicos são: Produzir sabonete, sabão e detergente, nas formas sólidas e liquidas, com orientação agroecológica e identidade social, obtidos a partir de resíduos reciclados em produtos competitivos e voltados para o mercado e geração de renda para famílias beneficiadas e  construir canais de acesso ao mercado e Redes de Consumo, para os produtos cheiro da terra e garantir renda complementar as famílias beneficiadas e desenvolver a marca “Cheiro da Terra” e certificá-la para “Produtos Regionais” da economia solidária de Maracaju, como estratégia de acesso ao mercado e valorização das mercadorias.

Segundo informações da Secretaria de Assistência Social, que é a gestora do Projeto, o Cheiro da Terra esta em fase licitatória de compra de equipamentos e materiais.