Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 20 de Junho de 2021

Sidrolandia

Ônibus da saúde” atendeu mais de 200 pessoas no município de Deodápolis

De acordo com o coordenador do programa, Fabrício Colacino, desde o seu lançamento o “Ônibus da Saúde” já percorreu 52 cidades e realizou 10.400 atendimentos.

Assessoria da Prefeitura

02 de Setembro de 2013 - 17:00

No ultimo sábado o “Ônibus da saúde” esteve em Deodápolis e segundo dados da coordenação do projeto, mais de 200 pessoas foram atendidas na ocasião. O mesmo ficou estacionado em frente ao Centro de Múltiplo Uso e foi recebido pela Prefeita Municipal Maria Viana e pelo Gerente de Saúde Márcio Teles no período da manha onde foi realizada a abertura oficial dos trabalhos.

Em discurso Márcio Teles reafirmou o compromisso de Deodápolis com o projeto da CASSEMS. “Quero aqui em publico reafirmar o compromisso de nossa cidade com este projeto. É de conhecimento de todos que a ex-administração fez um compromisso e não cumpriu no mandato anterior e nós não repetiremos o mesmo erro. Na administração da Prefeita Maria Viana, temos um compromisso com a saúde e os benefícios deste projeto são de grande importância para a nossa população, por isso reafirmamos aqui que vocês podem contar conosco. Muito nos honra quando temos a oportunidade de traze-los a nossa cidade!” destacou Márcio Teles.

Considerado a maior estrutura de tratamento em prevenção ao câncer do País, o “Ônibus da Saúde” é composto por sala de exames ginecológicos, mamografia, consultório médico e centro para pequenas cirurgias. “Temos que aproveitar esta oportunidade pois é um projeto que visa diagnosticar a tempo esta doença dando assim ao paciente a chance real de cura. Tenho muito orgulho de participar de um ato como este pois sei que estamos contribuindo para a melhora da saúde de nossa cidade!” pontuou a Prefeita Maria Viana.

De acordo com o coordenador do programa, Fabrício Colacino, desde o seu lançamento o “Ônibus da Saúde” já percorreu 52 cidades e realizou 10.400 atendimentos. Ele explica que mais da metade dos pacientes do interior fica sabendo tardiamente que está com câncer. “Realizar essa prevenção no interior pode diminuir, e muito, os números das doenças e mudar a história do nosso Estado”, ressalta.