Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 27 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Papa diz que internet ajuda na divulgação da JMJ para quem não pôde vir ao Brasil

Bem-humorado, o pontífice falou que os cariocas sabem receber e sabem dar grande acolhida.

Agência Brasil

26 de Julho de 2013 - 16:39

O papa Francisco disse na Festa da Acolhida dos Jovens que o mais importante hoje é a reunião da juventude, e saudou os jovens dos cinco continentes presentes na Praia de Copacabana. Ele ressaltou que muitos não puderam viajar para o Brasil, mas que, atualmente, com a tecnologia disponível, podem acompanhar tudo pela internet.

Bem-humorado, o pontífice falou que os cariocas sabem receber e sabem dar grande acolhida. Agradeceu também às autoridades e a todos que contribuíram com o que ele classificou de momento único de celebração da fé e da fraternidade. “A todos um abraço afetuoso, em Jesus e com Jesus”, acrescentou.

O chefe da Igreja Católica informou que antes de viajar ao Rio para participar da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) esteve com o papa Bento XVI e o convidou para fazerem a viagem juntos, mas que Bento XVI preferiu ficar na Itália de onde ia acompanhar em pensamento e pela televisão as atividades da jornada. “Portanto, ele está conosco neste momento”, disse.

O papa cumprimentou os participantes da JMJ. “Bem-vindos a Jornada Mundial da Juventude nesta cidade maravilhosa do Rio de Janeiro. “O Cristo Redentor, do alto do Corcovado, nos abraça”, disse.

“Vim aqui ser contagiado com o entusiasmo de vocês. A todos digo, bem-vindos a esta festa da fé”, disse Francisco. Ele agradeceu a hospitalidade dos cariocas e o apoio das autoridades federais, estaduais e municipais. "Os cariocas sabem receber bem e dar uma boa acolhida", enfatizou.

O pontífice saudou também os laicos e a todos os que foram assistir à festa. "Bem-vindos à Jornada Mundial da Juventude, a esta cidade maravilhosa do Rio de Janeiro", completou.

Francisco chegou ao palco da Festa da Acolhida a bordo do papamóvel, que tomou no Forte de Copacabana. No trajeto pela Avenida Atlântica, as milhares de pessoas que o aguardavam não se contiveram e invadiram a pista, cercando o veículo e fotogrando o papa com seus celulares e câmeras digitais. Com simpatia, o papa acenou o tempo todo para a multidão e beijou algumas crianças que foram levadas até ele.

Em frente ao palco, a temperatura, em torno de 17 graus Celsius, fria para os padrões cariocas, tornava-se alta para os que encontravam no meio da multidão. Os 4 quilômetros da orla estão tomados por pessoas vindas dos mais diversos países.

As janelas dos prédios localizados em frente à praia estão iluminadas e cheias de curiosos, que acompanham de lá o evento. A quantidade de flashes e bandeiras de diferentes países impressionam. Apesar da multidão presente e da dificuldade para caminhar entre os fiéis, muitos cadeirantes estão na festa, e o clima é de tranquilidade e cordialidade.

O peruano Miguel Polanco, que veio caminhando de Botafogo até Copacabana, com um grupo de seis amigos, disse que a energia é muito boa e que "vale o sacrifício". Ele chegou a Copacabana às 15h, depois de meia hora de caminhada, na esperança de ver o papa bem de perto.

Moradora de Cambuci, no interior do estado do Rio, Cininha Melo, trouxe um binóculo "para não perder nada" da Festa da Acolhida. “Ganhei [o binóculo] de uma afilhada ontem [24] e já experimentei em casa, dá para ver bem de longe”, disse Cininha, com o binóculo apontado para o palco, onde se encontrava o papa.

A Polícia Militar (PM) mobilizou 1.500 homens para dar segurança ao papa e aos peregrinos na Festa da Acolhida e repetirá o esquema amanhã (26), na Via Crucis, às 18h, também em Copacabana. Este é o maior efetivo usado pela PM em um evento ao ar livre e tem apoio de 30 torres de observação, como ocorre no tradicional réveillon de Copacabana. Além disso, 25 viaturas circulam pelo bairro, apoiadas por 20 motociclistas. Oitenta homens fazem a pé o patrulhamento das ruas que dão acesso à praia.

Todas as unidades do Comando de Operações Especiais participam do esquema, que inclui atiradores de elite posicionados em pontos estratégicos e o auxílio de cães farejadores.