Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 16 de Janeiro de 2021

Sidrolandia

Polícia não tem provas para apontar culpados por invasão de prefeitura

Havia suspeita de furtos de documentos, no entanto, conforme relatado pelo delegado da Derf, nada foi comprovado e as investigações prosseguem

Campo Grande News

27 de Agosto de 2014 - 16:45

A investigação sobre a invasão da Prefeitura de Campo Grande, no dia 15 de maio deste ano, pode acabar sem indiciados. Segundo o delegado titular da Derf (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Roubos e Furtos), Fabiano Goés Nagata, até o momento não foram encontradas provas suficientes para que os envolvidos fossem acusados.

No entanto, ele ainda aguarda do resultado de laudos periciais que possam trazer mais detalhes sobre a ocupação, ocorrida após a Justiça determinar a reintegração de Alcides Bernal (PP) ao cargo de prefeito.

Na manhã desta quarta-feira (27), Nagata disse que já ouviu todos os participantes. Porém, o grupo, incluindo o ex-prefeito Alcides Bernal, negou que teria invadido premeditamente a sede do administrativo e furtado documentos do local. “O ex-prefeito alegou que agiu conforme determinação judicial e por isso, não invadiu o local. Até o momento as investigações não comprovam o furto de documentos e outros objetos”, disse Nagata.

No entanto, o delegado afirma que o parecer atual pode ser alterado de acordo com o resultado dos exames periciais solicitados pela Derf, que se referem a análise das gravações feitas pelas câmeras de segurança da prefeitura, bem como por testemunhas. “São dados importantes que podem trazer novos detalhes acerca do caso. Já pedimos os laudos e os resultados devem ser encaminhados em breve para nós”, completou o delegado.

Caso – No dia 15 de maio, Bernal retornou ao cargo de prefeito por oito horas, depois de ser cassado no dia 12 de março. A decisão do juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos, Coletivos e Individuais Homogêneos, David de Oliveira Gomes Filho, determinava a posse imediata. Horas depois, o desembargador de plantão, Vladimir Abreu da Silva, acatou pedido da assessoria jurídica da Câmara Municipal, e cassou a liminar de Gomes Filho.

Pelos menos 20 servidores e alguns vereadores foram investigados por estarem envolvidos na invasão dos prédios públicos, para forçar a posse imediata do prefeito cassado. Sindicância aberta pela prefeitura apontou indícios e elementos consistentes quanto à “conduta incompatível” destes servidores, com a responsabilidade do cargo que exercem.

Havia suspeita de furtos de documentos, no entanto, conforme relatado pelo delegado da Derf, nada foi comprovado e as investigações prosseguem.

Sindicâncias - Por outro lado, a prefeitura realizou sindicâncias e várias já foram concluídas. Algumas pedem a demissão dos servidores que participaram da ocupação de forma ilegal e até da subtração de documentos. Os resultados serão encaminhados para o Ministério Público Estadual.