Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 7 de Maio de 2021

Sidrolandia

Prefeitura autoriza reajusta de 13,44% e tarifa de ônibus passa a R$ 3,70 dia 1º

O aumento concedido está abaixo do valor tarifário de R$ 3,86, indicado na planilha apresentada pela Vacaria Turismo.

Flávio Paes/Região News

30 de Dezembro de 2016 - 10:27

A partir de 1º de janeiro, a tarifa do transporte coletivo de Sidrolândia sobe de R$ 3,27 para R$ 3,70, com a correção de 13,4% autorizada pela Prefeitura. O aumento concedido está abaixo do valor tarifário de R$ 3,86, indicado na planilha apresentada pela Vacaria Turismo.

O serviço tem 1.284 usuários cativos (funcionários da JBS) e mais um pequeno grupo eventual, responsável por uma média de 17 viagens por dia, 480 por mês, que geram uma receita bruta mensal de R$ 1.400,00. Havia expectativa, quando o transporte foi instituído basicamente para livrar a JBS do passivo trabalhista gerado pela cobrança da chamada in itinere que outras indústrias aderissem ao vale-transporte, mas isto não aconteceu porque algumas suspenderam a produção.

O reajuste tarifário é anual, mas eventualmente pode sofrer mudanças, porque até o final de março deve estar concluído o processo de licitação que vai manter ou substituir a Vacaria Turismo como responsável pela prestação do serviço, criado em outubro de 2014. O valor não embute a alíquota de 5% do ISSQN (Imposto Serviço de Qualquer Natureza), que deveria estar sendo cobrada desde novembro do ano passado, quando venceu o prazo de vigência da lei de isenção. A renovação só chegou neste ano à Câmara e não foi votada por causa da legislação eleitoral.

Independente do valor, a tarifa tem pouco impacto sobre o orçamento de praticamente 95% dos usuários, um contingente de 1.284 funcionários da JBS que usam o ônibus nos seus deslocamentos de casa para o trabalho e vice-versa. O acordo coletivo da categoria limita em R$ 32,16 o desconto mensal de vale transporte (3% sobre o menor salário da empresa, R$ 1.072,00). Considerando duas viagens por dia de segunda a sábado, cada passe vai custar R$ 0,67, 18% da tarifa cheia, a diferença de pouco mais de R$ 2,47, é bancado pela empresa. 

Desde que o transporte coletivo foi instituído na cidade, a tarifa acumula um aumento de 57,44%, começando com R$ 2,34 em outubro de 2014, passou a R$ 2,84 em janeiro de 2016; subiu para os atuais R$ 3,27, até chegar a R$ 3,70 a partir de domingo. Neste período, a inflação medida pelo IPCAE ficou em 19,9%.

Conforme a Prefeitura, a tarifa é impactada pelo aumento do diesel (40% nos últimos 12 meses), um dos principais insumos e toma como referência o número de passageiros transportados por quilômetro. Como não houve ampliação dos pagantes e o custo aumentou, o valor acaba subindo, sem contar que o valor cobrado abrange trechos fora do perímetro urbano, como aldeias, Quebra Coco, região do Bolicho Seco, locais para onde uma viagem de táxi ou lotação, não sai por menos de R$ 30 a R$ 50,00.