Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 25 de Outubro de 2021

Sidrolandia

Produtores temem prejuízos com alagamentos no Pantanal

A situação é crítica nas subregiões da Nhecolândia e do Paiaguás, influenciadas pelo comportamento do rio Taquari

Rural News

17 de Março de 2011 - 10:28

Com cheia inesperada para está época no Pantanal sul-mato-grossense, fazendeiros temem maior perca com o gado que estão quase todos ilhados. Segundo Reginaldo Gomes, produtor rural da região pantaneira. “A água tomou cerca de 40% de área e com isso os gastos e percas são enormes, como transporte e até morte dos animais” Disse indignado o produtor.

Segundo o Pesquisador da Embrapa Ivan Bergier, a preocupação da entidade neste momento são águas que ainda não chegaram ao pantanal, são águas de cabeceira da região norte do estado. “Já a constatação da super cheia deve ser prevista corretamente depois da aferição do Modelo Estatístico de Previsão (Modelad) no dia 31 deste mês”, afirmou o Pesquisador.

O transporte nesta região é feito somente por balsa (rio) até Corumbá, de lá, o gado segue por comitiva ou caminhões até áreas mais alta, e mais próxima. Parte do rio Paraguai está sem barranco e fora do leito em suas retas e curvas.

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Corumbá, Raphael Domingos Kassar, fazendas estão ilhadas com a interrupção de estradas e alagamentos de portos e de pistas de pouso de pequenas aeronaves. A situação é crítica nas subregiões da Nhecolândia e do Paiaguás, influenciadas pelo comportamento do rio Taquari, onde as propriedades já não conseguem retirar o gado para as partes altas, não inundáveis.

O escoamento do gado para fazendas ou frigoríficos no Planalto já está prejudicado nos portos Rolon (Taquari) e no Alegre (São Lourenço). Os fazendeiros também não estão conseguindo passar as boiadas na ponte sobre o Rio Taquari, na Fazenda Mercedes, entre Corumbá e Coxim, porque a seu entorno está completamente inundado. “A situação é crítica”, comunicou o presidente do sindicato.