Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 28 de Janeiro de 2022

Sidrolandia

Sonora comemora 23 anos na sexta-feira, dia 3

A cidade possui a primeira usina de álcool projetada para a região de cerrado no Brasil

MV Comunicação

01 de Junho de 2011 - 10:11

Sonora comemora 23 anos na sexta-feira, dia 3
Sonora comemora 23 anos na sexta-feira, dia 3 - Fotos: Maz

O município de Sonora – a 360 quilômetros da Capital, na divisa com Mato Grosso – comemora 23 anos de emancipação político-administrativa nesta sexta-feira, dia 3 de junho. A prefeitura programou atividades cívicas, esportivas e culturais que começam na quinta-feira (2) com a inauguração da maior obra construída pelo prefeito Zelir Maggioni, o Mano: O Parque da Cidade, uma área com mais de 2 hectares para as práticas de esporte e lazer, em pleno coração da cidade.

Esse local será palco de shows musicais como o Bonde do Tigrão, que canta na noite de quinta-feira depois da solenidade de inauguração. A festa de aniversário será marcada também pelo Rodeio em Touros no Clube de Laço Kansas, localizado próximo ao parque. A animação desse torneio ficará por conta dos locutores Marco Brasil e César Paraná.

O prefeito Mano, considerado um dos melhores prefeitos de Mato Grosso do Sul, está em seu segundo mandato e foi responsável por um grande impulso no desenvolvimento físico e econômico do município. Só ele construiu quase 600 casas e tem meta de construir mais 200 até o próximo ano.

Com uma economia voltada principalmente para a agropecuária e industrial, com a produção de açúcar e álcool (usina Sonora) e grãos diversos, Sonora tem crescido bastante nos últimos anos, atraindo novos empreendimentos para o município, gerando emprego e renda para a população que quase dobrou para o senso de 2010, passando de 9,5 mil para 15 mil habitantes.

“Nosso lema administrativo é trabalhar com justiça social, dotando a cidade de toda infraestrutura necessária para crescer e oferecer conforto e qualidade de vida para nossa comunidade”, comenta o prefeito Mano que faz investimentos consideráveis também na área de saúde. Enquanto a legislação determina que as prefeituras devem investir no mínimo 15% de seu orçamento nessa área, Mano destina 25%.

PROGRAMAÇÃO – A programação do 23º aniversário de Sonora começa na quinta-feira (2) com solenidade de assinatura de ordens de serviço para novas obras no município. Depois, às 21 horas, Mano e autoridades inauguram o Parque da Cidade, que antecedo show pirotécnico e show musical com o Bonde do Tigrão.

Na sexta-feira as atividades começam às 15 horas com desfile cívico na Avenida do Povo. À noite, às 19 horas, solenidade de entrega de Diploma Empreendedora de Sonora, na Câmara Municipal e depois rodeio em touros e show baile com o cantor Diego Gama no Clube de Laço Kansas.

No sábado (4) a festa começa às 21 horas com abertura oficial do rodeio com locução de Marco Brasil e show pirotécnico. O show baile ficará por conta da dupla Hebert & Evandro. No domingo, às 16 horas, será a vez do Bingão de 10 motos Honda CG 125 Fan e final do rodeio no Clube do Laço.

HISTÓRIA – Durante o governo de Getúlio Vargas foi criado a Paner, Cia de Aviação para Missões especiais, que era a responsável pelo Correio Aéreo Noturno, que interliga Rio de Janeiro, São Paulo, Cuiabá e Manaus. O responsável por esse órgão era o comandante Maurício Coutinho Dutra, homem de muita cultura, politicamente ativo, ligando ao PTB do então presidente.

Por volta de 1964, com o agravamento da política governamental, o Comandante refugiou-se para a região central do então Estado de Mato Grosso, próximo ao Rio Correntes, Município de Pedro Gomes. Construiu um rancho de palha e após alguns anos tornou-se proprietário de muitos hectares de terras do município.

Refugiado em sua grande área de terra, Comandante Coutinho sempre procurava se disfarçar e ia para a cidade de Rondonópolis, em sua pick-up, onde gostava muito de assistir a filmes de faroeste, um de seus hobbies preferidos.

Homem muito culto pensava sempre que destino daria a tanta terra não desbravada, pois a solidão o consumia e as matas iam além de onde seus olhos enxergavam.

Após alguns anos, por volta de 1975, ofereceu a seu sobrinho, Raul Kelvin Thuin, coronel do exército, cerca de 10.000 hectares de terra para que a utilizasse em algo útil.

O coronel Raul, homem idealista, sonhador, veio conhecer a sua terra a estudar a possibilidade de explorá-la em prol do Brasil, como desejava seu tio. Em 1976 contratou a consultoria de empresa Planec, de Campo Grande, onde um de seus sócios, senhor Beat Rolf Stucki, imigrante suiço que chegara ao Brasil em 1951 e que em 1973 mudara para a cidade de Campo Grande, realizou o diagnóstico de área. Juntamente com o senhor Stucki, coronel Raul subiu em uma árvore grande a vislumbrou, sonhou uma cidade com crianças correndo, chaminés fumando e um grande núcleo urbano se desenvolvendo. Inicialmente pensaram em um frigorífico, mas a idéia foi descartada pois faltaria matéria-prima.

Consultaram, também, durante o diagnóstico da área, o Médico e então Governador de Mato Grosso, Fernando Correia da Costa, juntamente com sua filha Telú.

Em sua consulta a Lamartino Navarro, que foi o percursor do Pró-álcool no Brasil e que trouxe do exterior a idéia de produção de energia alternativa, sugeriu a possibilidade de implantação de uma usina de produção de álcool, pois a cultura da cana-de-açucar possui uma grande característica sazonal. Como a idéia foi aceita em consenso, Lamartino forneceu toda a orientação e a Planec, por intermédio do Stuchi, fez o Projeto e em 1977 iniciou a construção da Usina Aquárius.

O nome da Usina foi escolhido pelo coronel Raul em homenagem ao signo de sua esposa Lúcia, mulher extremamente inteligente e humana.

A usina Aquárius foi a primeira usina de produção de álcool projetada no Brasil para a região do cerrado. Em meados de julho de 1978 iniciou uma produção experimental, que se efetivou no ano de 1979 e que contava com cerca de 850 funcionários, que já formavam um pequeno núcleo urbano e que residiam em barracos de lona, o mesmo acontecendo com o senhor Stuchi, que mudara em 1976, juntamente com sua família.

O andamento das atividades da usina muito bem, entusiasmado, muito idealismo e, no entanto, sua administração não era das melhores, deixando a desejar.

Diante de vários problemas, a Usina Aquárius foi então adquirida, por volta de 1983, pelo grupo Giobbi e pla Cigla – Subsidiária da Fiat Italiana. Passou, a partir daí, a ser chamada de Cia Agrícola Sonora Estância. Hoje, a usina produz cerca de 80 milhões de litros de álcool/ano e 1,2 milhão de toneladas de açúcar/ano.

Grande parte da mão-de-obra fixou residência neste núcleo urbano, desempenhando funções nas épocas intermediárias ao trabalho na lavoura, contribuindo para a expansão populacional da comunidade. Esta expansão, atraída pelo mercado de trabalho local, levou este núcleo à condição de Distrito no ano de 1985.

Foi determinado que se chamaria Distrito de Sonora, devido aos filmes pelo Comandante Coutinho, em Rondonópolis/MT, onde nos filmes de faroeste os bandidos se refugiavam na cidade de Sonora, México, na fronteira com os Estados Unidos, fugindo dos Xerifes Texanos.

No dia 03 de Junho de 1988, através da lei número 828, foi criado o município de Sonora, ficando o mesmo pertencendo à Comarca de Pedro Gomes, de cujo município foi desmembrado. Situa-se na região Norte do Estado de Mato Grosso do Sul com acesso pela Rodovia BR-163, a 364km da capital, próximo aos centros urbanos de Pedro Gomes, Coxim, Itiquira e Rondonópolis, sendo os dois últimos pertencentes ao Estado de Mato Grosso. Além destes municípios, com exceção de Rondonópolis, estão incluídos como divisores naturais Corumbá/MS e Alto Araguaia/MT.