Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 20 de Junho de 2021

Sidrolandia

Uma das principais obras do MS Forte, MS-040 será denominada Manoel Lino de Rezende

Em breve, motoristas e moradores daquela região vão contar com pelo menos 209,033 quilômetros de asfalto novo.

Noticias MS

04 de Setembro de 2013 - 14:24

A rodovia MS-040, uma das principais obras do programa de ações e investimentos lançado pelo governo do Estado – MS Forte 2 - receberá o nome de Manoel Lino de Rezende - “Neco”. O trecho, que até então por ser de terra dificultava o escoamento da produção entre Campo Grande e Santa Rita do Pardo, hoje já está recebendo obras e tomando forma. Em breve, motoristas e moradores daquela região vão contar com pelo menos 209,033 quilômetros de asfalto novo.

Como sempre tem falado em entrevistas, o governador André Puccinelli destaca que MS Forte 2 vai promover a integração regional garantindo mais produção e desenvolvimento dos municípios. São regiões que têm grandes bolsões de áreas e que por não ter estrada no meio delas não há produção.

“De Campo Grande até Três lagoas, de Campo Grande até Nova Alvorada do Sul e de Nova Alvorada até Bataguassu temos um retângulo e nesse miolo podemos trazer um milhão de hectares novos à produção. A MS-040 nos seus quilômetros vai unir as Três Barras passando pelo meio de Ribas do Rio Pardo, Água Clara e chegando a Santa Rita do Pardo”, citou Puccinelli.

Manoel Lino de Rezende - “Neco”

A nova rota de escoamento da produção, a MS-040 será denominada Manoel Lino de Rezende - “Neco”. No Diário Oficial do Estado (DOE) está publicada a lei nº 4.397, sancionada pelo governador André Puccinelli, que dá nome a esta importante rodovia.

De acordo com o projeto de lei apresentado pelo deputado estadual Osvane Ramos, o homenageado Manoel Lino de Rezende nasceu em 26 de abril de 1899, na Fazenda Monte Alegre, município de Campo Grande. Foi casado com Olézia Pereira de Menezes, com quem teve nove filhos.

Manoel Lino de Rezende era conhecido carinhosamente por “Neco”. Além de pioneiro foi desbravador, numa região em que não havia meio de transporte, saúde e estradas, dificultando as viagens para as cidades. O único meio de transporte na época era o carro de boi, que “Neco” utilizava duas vezes ao ano. A duração da viagem era de 25 dias para se deslocar da Fazenda Monte Alegre até Campo Grande para comprar açúcar e sal principalmente.

Conforme o autor do projeto, a família Rezende está distribuída em todos os municípios daquela região do homenageado, inclusive no Distrito de Anhanduí. Manoel Lino de Rezende criou e alfabetizou seus filhos na fazenda. Seu “Neco”, como era conhecido em toda a região, ajudou muitos moradores que residiam em outras propriedades.