Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sexta, 26 de Novembro de 2021

Sidrolandia

Zeca é contrário a aliança com PMDB e PSDB e quer aliado como candidato ao senado

Ele defende que o PT deve buscar um nome que tenha afinidade com seus ideais e projetos e, principalmente, já tenham participado de outras caminhadas do partido.

Midiamax

07 de Outubro de 2013 - 00:26

O ex-governador e vereador pelo PT em Campo Grande, Zeca do PT, não pôde se encontrar com o Ministro da Educação, Aloizio Mercadante, durante sua passagem pela Capital, na última sexta-feira, por problemas de agenda. A viagem do ministro, oficialmente, foi a de representar o Governo Federal em  audiência pública sobre educação realizada na Assembléia Legislativa.

Mas a presença de Mercandante em Campo Grande teria, na verdade, cunho mais político do que institucional. Mercandante teria a missão de avançar nas negociações, que seriam de interesse do governo federal, de formalizar também em Mato Grosso do Sul a aliança do PT e PMDB em 2014. A articulação de aliança entre os dois rivais no Estado enfrenta resistências no PT e tem no ex-governador Zeca seu principal opositor.

“Se ele veio com essa ideia, caiu do cavalo. O PT não pode cometer esse suicídio que seria se aliar ao PMDB ou ao PSDB. Tenho absoluta convicção que o nosso partido não precisa desse tipo de aliança para o Delcídio vencer. O povo não quer e se fizermos isso corremos o risco de perder as eleições”, disse Zeca, lembrando que as alianças passam pelo crivo decisivo da plenária do PT.

Para Zeca, a pesquisa Ibrape/Midiamax mostra o senador Delcídio do Amaral (PT) com uma candidatura muito forte, e bem a frente de todos os demais concorrentes na disputa eleitoral para governador de Mato Grosso do Sul. O ex-governador vê o cenário de 2014 muito mais favorável do que as outras duas vezes que o partido venceu, quando ele mesmo foi o candidato ao cargo. “O povo daqui já perdeu o medo do PT e está com saudade do nosso modelo de governar".

Senado

O ex-governador tem a mesma postura contrária à aliança para o cargo de governador quanto à de senador. "Temos nomes dentro e fora do partido que podem muito bem ocupar a vaga de senador". Ele defende que o PT deve buscar um nome que tenha afinidade com seus ideais e projetos e, principalmente, já tenham participado de outras caminhadas do partido.

"O Pedro Kemp é uma possibilidade pela pessoa que é, assim como a Tatiana Ujacow, que é uma mulher comprometida com as causas sociais”. Candidata a vice-governadora em 2010, Tatiana participou da criação do Rede e, ontem, como a ex-senadora Marina Silva, se filiou ao PSB.

Quanto à possibilidade de apoio ao deputado federal Reinaldo Azambuja, do PSDB, ao senado, Zeca diz que é incoerência. "O PSDB, além de nosso adversário histórico em MS, é ferrenho adversário do governo  Dilma. Não defende ideologicamente nada do que acreditamos".