Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Domingo, 21 de Abril de 2024

Economia

Conab diz que preços do arroz já começam a se recuperar

Agência Brasil

08 de Julho de 2011 - 09:00

De acordo com o diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sílvio Porto, os preços do arroz cotado no Rio Grande do Sul, principal produtor nacional, começaram a se recuperar esta semana.

“Tivemos notícias de que o preço alcançou R$ 23 no estado e essa reação está relacionada às medidas adotadas pelo governo”, disse Porto.

O diretor participou do anúncio do 10º levantamento da safra de grãos 2010-2011, realizado nesta quarta-feira (6), no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A produção total deve chegar a 162 milhões de toneladas, consolidando novo recorde.

O diretor da Conab considera que a recuperação do preço do grão é expressiva, já que o valor chegou a R$ 18 por saca de 50 kg. O preço mínimo fixado pelo governo é de R$ 25,80 por saca de 50 kg. Desde fevereiro, o governo federal vem adotando uma série de ações para retirar o produto do mercado e contribuir para o aumento do preço pago ao produtor.

Na semana passada, os ministérios da Agricultura e da Fazenda anunciaram a realização de mais leilões para apoiar a comercialização do produto, totalizando gastos adicionais de R$ 427 milhões.

“Temos a convicção de que, em até 60 dias, os preços do produto vão reagir com mais consistência”, avalia o secretário de Política Agrícola do Mapa, José Carlos Vaz.

De acordo com Vaz, apesar da elevação maior do que 20% de uma semana para outra, o governo trabalha com cautela para que a meta seja atingida até o final de agosto, considerando, inclusive, a possibilidade de haver algumas oscilações nesse período. No entanto, ressaltou que o governo ainda tem condições de tomar outras medidas mais drásticas, caso seja necessário.

Outra informação positiva para os produtores de arroz é a expectativa de exportação recorde em 2011. Segundo Porto, os embarques do grão devem ficar entre 1,3 milhão a 1,5 milhão de toneladas, superando as vendas externas do ano passado.

Esse valor é atribuído ao maior apoio do governo ao escamento da safra por meio de leilões de Prêmio de Escoamento de Produto (Pep) e Prêmio Equalizador Pago ao Produtor (Pepro).