Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 29 de Outubro de 2020

Economia

Fábrica de celulose em MS atinge marca de 6 mi de t produzidas

Sozinho, o produto respondeu por 26,67% das receitas sul-mato-grossenses nestes dois meses, com um faturamento de US$ 165,345 milhões.

G1 MS

14 de Março de 2014 - 10:00

A unidade da Fibria, em Três Lagoas, a 338 quilômetros de Campo Grande, atingiu nesta semana a marca de 6 milhões de toneladas de celulose produzidas em um período de cinco anos. Conforme a empresa, com moderna tecnologia de produção e eficiência operacional, a fábrica possui capacidade para processar até 1,3 milhão de toneladas por ano.

“É importante ressaltar que para chegarmos a marca de 6 milhões de toneladas de celulose em tão pouco tempo, a qualificação e a motivação das pessoas que aqui trabalham foi fundamental”, explica o gerente de produção de celulose, Alexandre Figueiredo.

Da produção da empresa em Mato Grosso do Sul, cerca de 14% é destinado ao mercado interno. Os outros 86% são exportados para outros países, sendo a maior parte para a Europa, seguida da Ásia. Com a celulose fabricada na unidade são produzidos papéis de imprimir e escrever, para fins sanitários e de higiene, como papel toalha, papel higiênico, lenços descartáveis, absorventes, entre outros.

Conforme dados do Sistema de Análise das Informações de Comércio Exterior (Aliceweb), do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o principal produto exportado por Mato Grosso do Sul no primeiro bimestre de 2014, foi a celulose.

Sozinho, o produto respondeu por 26,67% das receitas sul-mato-grossenses nestes dois meses, com um faturamento de US$ 165,345 milhões. O maior comprador da celulose “Made in MS” foi a China, com US$ 55,771 milhões, o equivalente a 33,73% do total.

Em relação ao primeiro bimestre de 2013, as vendas de celulose pelo estado no mesmo intervalo de tempo deste ano registraram um incremento de 31,52% no resultado financeiro (de US$ 125,715 milhões para US$ 165,345 milhões) e de 40,21% no volume (de 256,092 mil toneladas para 359,089 mil toneladas).