Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 22 de Janeiro de 2022

Economia

PIB do Brasil cai 0,1% no 3º trimestre e país entra em recessão técnica

Apesar da alta de 1,1% nos serviços, agropecuária teve queda de 8% e indústria ficou estagnada.

G1

02 de Dezembro de 2021 - 09:07

PIB do Brasil cai 0,1% no 3º trimestre e país entra em recessão técnica
Movimentação de pessoas em estação de metrô, em São Paulo, Brasil, em imagem do dia 1º de dezembro. — Foto: Andre Penner/AP Photo

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,1% no 3º trimestre de 2021, na comparação com os três meses imediatamente anteriores, confirmando a entrada do país em uma nova recessão técnica, segundo divulgou nesta quinta-feira (2) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em relação a igual período de 2020, houve crescimento de 4%.

Os dados oficiais reforçam a leitura de forte desaceleração da recuperação da economia após o PIB ter conseguido retomar no início do ano o patamar pré-pandemia. A recessão técnica é caracteriza por dois trimestre seguidos de retração. A última tinha sido registrada nos dois primeiros trimestres de 2020, quando o PIB 'encolheu' 2,3% e, em seguida, 8,9%.

Variação trimestral do PIB — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

Variação trimestral do PIB — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

O resultado do 2º trimestre do ano foi revisado para uma queda de -0,4%, contra leitura inicial de queda de -0,1%. O IBGE também revisou o resultado da alta do 1º trimestre, de 1,2% para 1,3%.

"O PIB está no patamar do fim de 2019 e início de 2020, período pré-pandemia, e ainda está 3,4% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica na série histórica, alcançado no primeiro trimestre de 2014", destacou o IBGE.

O resultado veio um pouco pior do que o esperado. A expectativa em pesquisa da Reuters era de estabilidade no 3º trimestre sobre os três meses anteriores. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e é o principal indicador usado para medir a evolução da economia. No acumulado do ano até setembro, o PIB avançou 5,7% contra igual período do ano passado.

Principais destaques do PIB no 3º trimestre:

  • Agropecuária: -8%
  • Indústria: zero
  • Serviços: 1,1%
  • Consumo das famílias: 0,9%
  • Consumo do governo: 0,8%
  • Investimento (FBCF): -0,1%
  • Importação: -8,3%
  • Exportação: -9,8%
  • Construção: 3,9%
  • Comércio: -0,4%
PIB sob a ótica da oferta — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

PIB sob a ótica da oferta — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

O que puxou a queda

Apesar da alta de 1,1% nos serviços, que respondem por mais de 70% do PIB nacional, a queda no 3º trimestre foi pressionada para baixo por conta da queda de 8% na agropecuária e também pela queda de 9,8% nas exportações de bens e serviços.

Já a indústria, que responde por cerca de 20% do PIB, ficou estagnada, afetada pelo encarecimento dos insumos e outros problemas na cadeia produtiva, além da crise energética.

Segundo o IBGE, o forte recuo na agropecuária foi consequência do encerramento da safra de soja, que também acabou impactando as exportações. Foi o pior tombo trimestral do setor desde o 1º trimestre de 2012 (-19,6%).

“Como ela é a principal commodity brasileira, a produção agrícola tende a ser menor a partir do segundo semestre. Além disso, a agropecuária vem de uma base de comparação alta, já que foi a atividade que mais cresceu no período de pandemia e, para este ano, as perspectivas não foram tão positivas, em ano de bienalidade negativa para o café e com a ocorrência de fatores climáticos adversos na época do plantio de alguns grãos”, explicou a coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis.

Recuperação em raiz quadrada — Foto: Economia g1

Recuperação em raiz quadrada — Foto: Economia g1

Já o crescimento dos serviços foi puxado por outras atividades (4,4%), que reúnem os serviços prestados às famílias. “Com o avanço da vacinação contra Covid-19 e o consequente aumento da mobilidade e reabertura da economia, as famílias passaram a consumir menos bens e mais serviços.”, destacou a pesquisadora.

Cinco atividades de serviços apresentaram crescimento: outras atividades de serviços (4,4%), informação e comunicação (2,4%), transporte, armazenagem e correio (1,2%), administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social (0,8%). As atividades imobiliárias (0,0%) ficaram estáveis e apenas as atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (-0,5%) e comércio (-0,4%) registraram queda.

PIB sob a ótica da demanda — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

PIB sob a ótica da demanda — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

Consumo das famílias e investimentos

Pela ótica da despesa, o consumo das famílias teve expansão de 0,9%, em relação ao trimestre imediatamente anterior, influenciado pelo aumento na ocupação no mercado de trabalho, pela expansão do crédito a pessoas físicas e pelo avanço da vacinação. Já a despesa de consumo do governo cresceu 0,8%.

Os investimentos (Formação Bruta de Capital Fixo) tiveram queda de 0,1%. A taxa de investimento no 3º trimestre foi de 19,4% do PIB contra 16,4% no mesmo período do ano anterior, mas ainda abaixo do patamar de 2013, quando alcançou quase 21%. Já a taxa de poupança foi de 18,6%, maior que os 16,2% obtidos no mesmo período de 2020.

Revisão do tombo de 2020

Na divulgação do terceiro trimestre de cada ano, o IBGE costuma realizar uma revisão abrangente das Contas Nacionais Trimestrais. Nesse sentido, o resultado do PIB de 2020 foi revisado para uma queda de 3,9%, ante leitura inicial de um tombo de 4,1%.

Piora das expectativas

A economia brasileira vem perdendo o ímpeto mesmo com a reabertura do setor de serviços e fim de boa parte das medidas restritivas lançadas no país para frear o avanço da Covid-19 desde o começo do ano passado.

Desde setembro, as projeções para a economia têm sido revisadas continuamente para baixo, em meio à disparada da inflação e aumento das incertezas fiscais após as manobras do governo para driblar o teto de gastos e abrir espaço no Orçamento no ano eleitoral de 2022.

As preocupações com a saúde das contas públicas, o desemprego ainda elevado e a elevação em ritmo acelerado da taxa básica de juros para conter a inflação vêm provocando uma redução da confiança de empresários e consumidores.

PIB dos países no 3º trimestre — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

PIB dos países no 3º trimestre — Foto: Elcio Horiuchi e Guilherme Luiz Pinheiro/G1

Segundo dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC), a inadimplência subiu em novembro, para o maior patamar do ano, com 26,1% das famílias relatando ter dívidas ou contas em atraso. A média atual das projeções do mercado financeiro apontam para alta de 4,78% do PIB em 2021 e de 0,58% em 2022, bem abaixo da média global e a pior perspectiva entre os países do G20. E parte dos analistas apontam para o risco de retração no ano que vem.

A inflação deve fechar o ano acima de 10% e a projeção para o IPCA de 2022 foi elevada para 5% – no limite do teto da meta do governo, de acordo com o último boletim Focus do Banco Central. Já para a Selic, a previsão é que ela suba na próxima semana a 9,25% ao ano, chegando a 11,25% ao ano em 2022. Vale lembrar a taxa básica de juros abriu o ano na mínima histórica de 2% ao ano.

Em 2020, no primeiro ano da pandemia, a economia brasileira registrou um tombo de 3,9%, segundo dados revisados divulgados nesta quinta.