Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 28 de Outubro de 2020

Economia

Preço de gasolina e de alimentos contribui para queda da inflação

O grupo Alimentação, que vinha impulsionando o aumento da inflação, cedeu e, no mês de junho, fechou em 0,02%

Correio do Estado

07 de Julho de 2014 - 15:47

A inflação caiu novamente na Capital, ficando próxima de zero, fechando em 0,01%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor de Campo Grande (IPC/CG), divulgado mensalmente pelo Núcleo de Pesquisas Econômicas (NEPES) da Universidade Anhanguera-Uniderp. O item que mais contribuiu para a queda foi a gasolina.

Para o coordenador do NEPES da Anhanguera-Uniderp, Celso Correia de Souza, a queda sinaliza que fatores climáticos têm contribuído para a produção de produtos hortifrutícola, o que afetou muito a inflação do grupo Alimentação neste início de ano. “As medidas do governo, como o aumento da taxa Selic, têm surtido efeitos sobre a economia”, declarou.

O grupo Alimentação, que vinha impulsionando o aumento da inflação, cedeu e, no mês de junho, fechou em 0,02%. No grupo Transportes houve uma pequena deflação, da ordem de -0,20%, devido às quedas nos preços dos combustíveis. O mesmo aconteceu com o grupo Vestuário, que chegou a -0,28%. Os grupos Saúde, Despesas Pessoais e Habitação apresentaram inflações de 0,13%, 0,12% e 0,08%, respectivamente. No grupo Educação esse índice foi de 0%.

Inflação Acumulada

Nos últimos doze meses foi registrada em Campo Grande uma inflação acumulada de 5,86%, ainda acima do centro da meta estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que é de 4,5%. Em maio, esse índice era de 6,21%. “Quando analisamos apenas o primeiro semestre de 2014, a inflação encontrada é de 3,93%, abaixo do teto estabelecido pelo CMN, de 6,5%”.

Os dez mais e os dez menos do IPC/CG

Os maiores aumentos foram: acém (0,03%), vestido (0,02%), bebidas não alcoólicas (0,02%), chocolate em pó (0,02%), Aluguel apartamento (0,01%), paleta (0,01%), calça comprida (0,01%), short e bermuda masculina (0,01%), aluguel de casa (0,01%), e alho (0,01%). Já os dez itens que mais colaboraram para a queda da inflação nesse período, em Campo Grande, foram: gasolina (-0,03%), alcatra (-0,03%), patinho (-0,02%), queijo muçarela/prato (-0,02%), calça comprida masculina (-0,02%), arroz (-0,02%), contrafilé (-0,02%), refrigerados (-0,01%), tomate (-0,01%) e linguiça fresca (-0,01%).