Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 25 de Maio de 2022

Economia

Retorno do atendimento nos bancos pode acontecer ainda nesta segunda

A proposta global da Fenaban foi feita durante plantão realizado neste sábado (24) por membros do Comando Nacional dos Bancários

Correio do Estado

25 de Outubro de 2015 - 21:36

O retorno das agências bancárias ao atendimento normal em Mato Grosso do Sul, bem como no resto do país, pode ser retomado já nesta segunda-feira (26), depois que o Comando Nacional dos Bancários orientou os sindicatos a aceitarem a proposta oferecida pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Em Campo Grande, a entidade de classe que representa funcionários da Capital e região estão programados para se reunirem em assembleia por volta das 18h. Contudo, não é descartado que durante a segunda-feira, algumas agências regularizem o serviço. O sindicato informou que são mais de 120 agências sem funcionar.

O principal impacto nesta semana, caso a paralisação continuasse, seria o pagamento de aposentados que dependem de funcionários para realizar a prova de vida. Pedidos de financiamentos também estavam prejudicados.

A proposta global da Fenaban foi feita durante plantão realizado neste sábado (24) por membros do Comando Nacional dos Bancários.

Foi oferecido reajuste de 10% para os salários, para a Participação nos Lucros e Resultados (PLR) e para o piso. Ainda consta no documento aumento de 14% para os vales refeição e alimentação, já ofertados na sexta-feira (23). Os banqueiros ainda aceitaram abonar 63% das horas dos trabalhadores de 6 horas, de um total de 84 horas, e 72% para os trabalhadores de 8 horas, de um total de 112 horas.

Assim, um dia após a assinatura do acordo, os trabalhadores compensariam, no máximo, uma hora por dia útil até o dia 15 de dezembro.

O fato que gerou a greve, que neste domingo (25) chegou ao 19º dia, é que os banqueiros se negaram a repor a inflação do período.

“Os banqueiros tentaram impor uma derrota à categoria, inicialmente com um reajuste abaixo da inflação. A greve reverteu essa tentativa. Depois, a Fenaban queria, para punir os grevistas, com o pagamento ou a compensação total das horas. Mais uma derrota para os bancos. Foi uma surpreendente vitória da unidade e da determinação da nossa categoria", disse Roberto von der Osten, um dos coordenadores do Comando Nacional.

Veja como ficou os termos da negociação:

Reajuste: 10 %;

Pisos: Reajuste de 10%;

- Piso de portaria após 90 dias: R$ 1.377,62;

- Piso de escriturário após 90 dias: R$ 1.976,10;

- Piso de caixa após 90 dias: R$ 2.669,45 (que inclui R$ 470,75 de gratificação de caixa e R$ 222,60 de outras verbas de caixa);

PLR regra básica: 90% do salário mais valor fixo de R$ 2.021,79, limitado a R$10.845,92. Se o total apurado ficar abaixo de 5% do lucro líquido, será utilizado multiplicador até atingir esse percentual ou 2,2 salários (o que ocorrer primeiro), limitado a R$ 23.861,00;

PLR parcela adicional: 2,2% do lucro líquido distribuídos linearmente, limitado a R$ 4.043,58;

Antecipação da PLR até 10 dias após assinatura da Convenção Coletiva: na regra básica, 54 % do salário mais fixo de R$ 1.213,07 limitado a R$ 6.507,55. Da parcela adicional, 2,2 % do lucro líquido do primeiro semestre, limitado a R$2.021,79.  O pagamento do restante será feito até 01 de março de 2016;

Auxílio-refeição: de R$ 26 para R$29,64 por dia;

Cesta-alimentação: de R$ 431,16 para R$ 491,52;

13ª cesta-alimentação: de R$431,16 para R$491,52;

Auxílio-creche/babá: de R$ 358,82 para R$ 394,70 (para filhos até 71 meses). E de R$ 306,96 para R$ 337,66 (para filhos até 83 meses);

Requalificação profissional: de R$ 1.227,00 para R$1.349,70.