Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 22 de Abril de 2024

Manoel Afonso

Eleições 2024:  debater ou ignorar a corrupção?

Manoel Afonso

01 de Dezembro de 2023 - 10:18

A PERGUNTA: A ocasião faz o ladrão? O sábio Machado de Assis dizia que não: Para ele “a ocasião faz o crime – o ladrão já nasce feito”. Se o fulano guarda dentro de si a intenção de tirar proveito de modo fácil, o poder irá trazer à tona isso. Assim irá potencializar essa tendência. Mas se tiver dentro dele o pacto com a honestidade, o poder vai potencializar isso que ele possui.

CONCLUSÃO: Então não procede a tese de que poder corrompe. Claro que o fulano terá que ter desde a infância a convicção de conservar na vida valores intocáveis como   lisura e integridade – jamais apenas por temor as consequências da lei punitiva dos homens, o que implicaria na depredação da sua imagem eleitoral como gestor público.

CENSURADA?  Debater os desafios administrativos das cidades faz parte do cenário eleitoral nas eleições municipais. Mas isso não basta. É preciso analisar os perfis dos protagonistas, como aquela radiografia que detecta eventuais fraturas. Mesmo uma boa qualificação profissional pode carregar ‘manchas’ irremovíveis. Aí mora o perigo.

ALERTA Figuras corruptas da nossa política nacional (inclusive) iniciaram nas câmaras e prefeituras. Por influências diversas, conivências e omissão da sociedade avançaram para o topo da pirâmide e se deram bem. Hoje são poderosos, manipulam verbas, emendas parlamentares e orçamentos oceânicos.

CONTROVÉRSIAS: Na visão do deputado Lídio Lopes a cidade de Porto Murtinho não será beneficiada, como se antevia pela construção da ponte da Bioceânica, distante 13 kms. O comércio não irá melhorar, pois os novos empreendimentos acontecem em locais próximos a obra. Os murtinhenses lúcidos estão reclamando.

DEPUTADOS & AÇÕES:   Gerson Claro: Receptivo, agrada no comando da Casa;  Lei de sua autoria é rigorosa nas punições nos casos de trotes ao SAMU, Bombeiros e órgãos de Segurança Pública. Rafael Tavares: Atento pede apuração das denúncias de corrupção no Parque dos Poderes; tem PL alterando regras do Programa Energia Social para beneficiar mais famílias de baixa renda. Rinaldo Modesto:  suas emendas somam R$400 mil para saúde, educação e assistência social; tem PL para valorizar e facilitar a atuação de doulas junto às gestantes.  Lia Nogueira: Aprovado seu PL sobre Mamanalgesia; pede sinalização na BR-376 e asfalto para Laguna Carapã e Caarapó; pede a reforma da UTI Neonatal da Maternidade Cândido Mariano.  Zeca do PT: A experiência conta. Cuida das questões agrárias, indígenas e da Agricultura Familiar. Esteve em Brasília tratando destes assuntos.  Pedrossian Neto: Foca em temas delicados, mas esquecidos, voltados aos idosos, crianças e adolescentes tentando viabilizar recursos. Sua intimidade com a matéria facilita o trato com assuntos da pauta econômica.

LUA DE MEL: Para o ex-deputado Valdomiro Gonçalves a melhor fase de político é  entre o dia da vitória até a data da posse. É badalado, cercado pela mídia e interessados. Após empossado será cobrado das promessas. É o caso de Javier Milei, presidente eleito da Argentina. A partir de 10 de dezembro será cobrado e criticado é claro.

ARTICULADO: É o que se espera de um governante eleito sem maioria no legislativo. Exemplo: Zeca se elegeu e logo acertou com os ex-colegas deputados. Mamão&açúcar. Imagine Milei se digladiando com os peronistas rançosos tocando bumbo em frente a Casa Rosada. Se não adotar a política de São Francisco de Assis vai se enrolar. O jogo é bruto.

COERÊNCIA: O deputado Rodolfo Nogueira (PL) marcando posição. Na indicação do ministro Flavio Dino ao STF lembrou que ele não cumpre os requisitos – notável saber jurídico e reputação ilibada. Também citou as manchetes envolvendo Dino em vários episódios – a famosa compra de respiradores quando governava o Maranhão é um deles.

AÇÕES & DEPUTADOS:   João C. Mattogrosso: pede recuperação asfáltica na MS 276 e sinalização na MS 141; visitou Sete Quedas, Naviraí, Tacuru e  Mundo Novo; visitou a Casa da Mulher na capital.  Mara Caseiro:  pede dispensa de exigências em edital da Lei Aldir Blanc; requer a instalação da Delegacia da Mulher em Costa Rica   Marcio Fernandes: tem atuado ao lado da Famasul e entidades voltadas ao meio rural na defesa do Pantanal através do Projeto enviado pelo Governo Estadual à Assembleia Legislativa.  Neno Razuk:  suas emendas parlamentares reforçarão ações na Saúde em vários municípios; sua proposta beneficia a agricultura familiar no Ceasa; instituída a sua  campanha ‘Com o Coração da Mulher’ a ser comemorada no dia 14 de maio. Junior Mochi: defende medidas de proteção tributária aos laboratórios e comerciantes locais de produtos farmacêuticos contra as redes nacionais; pede melhorias para Pedro Gomes, Camapuã e Campo Grande.

‘LERO LERO’: As entrevistas do ex-governador Puccinelli (MDB) rendem reações. Uns acham que ele só procura espaço para tentar sobreviver politicamente; outros de que será rifado pela cúpula nacional do MDB, costurando aliança com o PSDB local Há quem enxergue no esperneio dele a tentativa de negociar sua candidatura à deputado federal.

MOVIMENTOS: Temendo a inviabilidade de sua candidatura pelo MDB, André flerta com o Solidariedade onde seu filho Junior é dirigente. Na semana passada Puccinelli reapareceu num palanque lá em Paranaíba ao lado da ex-deputada Rose Modesto e do ex-prefeito Braquiária. Pelo visto, os seus netinhos terão que esperar mais.

ENTENDEU: O STF decidiu: qualquer órgão da mídia poderá ser condenado a indenizar, se houve má-fé ou culpa grave, na divulgação de entrevista caluniosa. Antes,  quem deveria indenizar o ofendido era o autor da ofensa. Jornais, sites, revistas, rádios eTVs terão que se cuidar mais.  Mas como ficam as mentiras das redes sociais?

QUESTÕES: Esse julgamento do STF é de um caso ocorrido em 1995.Pode isso? Daí  a roupa suja demorou para ser lavada. Temos vários exemplos de destruição de reputações gerando impactos pessoais e eleitorais. Como não temos mecanismos processuais ágeis, os estragos são irrecuperáveis. Vale a versão jogada na mídia.

ATUAÇÃO LEGISLATIVA:  Londres Machado: Fala menos e age mais nos bastidores com livre trânsito entre as bancadas de diferentes tendências. Apaziguador por excelência.  Antonio Vaz: Pede a inclusão da ‘Marcha pela Vida” no calendário de eventos; Atento as causas sociais, da saúde e ensino.  Lídio Lopes: Defensor incansável da Rota Bioceância; municipalista, atento aos reclamos das cidades do Cone Sul e da capital.  Lucas de Lima: será enredo da Escola de Samba da Vila Carvalho; Virou lei seu PL (Julho Ambar) sobre conscientização do luto parental comemorado em Julho; tem PL prevendo micro pigmentação no SUS para pacientes com câncer de mama.  Roberto Haschioka: pede limpeza no entorno do Parque do Anhandui;  promoveu comemoração do Dia do Músico em evento na Alems; Criou o cadastro estadual de bicicletas e proprietários. José Teixeira: Solicita recursos para obras em Rio Brilhante, Ponta Porã, Ivinhema, Angélica e Caarapó. Tem proposta para aprimorar os investimentos do Fundersul.

PAZ & AMOR: Esqueça o PT de ontem. Agora prega que o ‘o ódio não constrói’. No episódio da prisão de funcionários do Governo Estadual por corrupção, os deputados petistas ficaram calados. Só  Zeca do PT lembrou que as denúncias estão sendo apuradas e que o governo fez o que deve ser feito. Imagine se fosse no tempo do ‘PT Oposição”!  

COERÊNCIA: Taí um produto cada vez mais raro no universo político. Nele a verdade é  relativa – vai depender da situação, interesses e dos protagonistas. Você percebe tudo isso nesta temporada de caça de votos do Ministro da Justiça Flavio Dino para chegar ao STF. Como eu sempre digo: as coisas mudam para ficar como estão. Segue a galopeira.

‘HERMANOS’:  Lembra o jornalista Ariel Palacios (TV Globo) em seu livro “Os Argentinos’ que Buenos Aires começou com o funeral do navegador espanhol Juan Diaz de Solís em 1516. Ele foi morto e devorado pelos índios charruas ao tentar explorar as margens do rio da Prata, com a tripulação assistindo as cenas horrendas.