Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 6 de Julho de 2022

Mato Grosso do Sul

Em MS, biólogo registra fenômeno da Lua de sangue: 'foi um presente ter o céu limpo'

Eclipse lunar ocorreu na noite de domingo.

G1

16 de Maio de 2022 - 10:43

Entre a noite deste domingo (15) e a madrugada de segunda-feira, foi possível acompanhar o primeiro e único eclipse total da Lua em 2022. Apesar da chuva e tempo instável em Mato Grosso do Sul, o fotógrafo e biólogo Luiz Felipe Mendez registrou o fenômeno que ocorreu entre 22h e 1h [horário local] e é chamado de 'Lua de sangue'. (Veja fotos abaixo).

O fenômeno significa que o Sol, a Terra e Lua estiveram alinhados e a Lua passou na sombra da Terra. O fenômeno foi visto também em toda a América do Sul e Central e partes da América do Norte, Europa e África.

Em MS, biólogo registra fenômeno da Lua de sangue: 'foi um presente ter o céu limpo'
Fotos do eclipse da lunar tiradas na madrugada desta segunda-feira (16). Foto: Luiz Felipe Mendez/Reprodução

“Quando estava se aproximando do horário, fiquei alerta, olhando para o céu e achando que ia ser difícil visualizar o eclipse por causa das nuvens. Às 22h o céu estava limpo, peguei a câmera, uma lente especial, um tripé e comecei a fotografar alternando a velocidade”, disse, acrescentando que todo o processo levou mais de duas horas.

Em MS, biólogo registra fenômeno da Lua de sangue: 'foi um presente ter o céu limpo'
Primeiro a lua apareceu como sempre, linda e cinza. Foto: Luiz Felipe Mendez/Reprodução

Usando equipamentos especiais e lentes de longo alcance, Luiz relata que fez mais de 105 registros, para selecionar apenas três. O próximo eclipse lunar será parcial e ocorrerá apenas em 28 de outubro de 2023, visível no Brasil durante o "nascer" do astro.

Em MS, biólogo registra fenômeno da Lua de sangue: 'foi um presente ter o céu limpo'
Depois, o eclipse começou a acontecer.  Foto: Luiz Felipe Mendez/Reprodução

“Estava com expectativa alta para esse momento, foi um presente ter o céu limpo. Registrar eclipse é um trabalho minucioso. Foram várias tentativas, a posição da lua estava complicada, tive que ficar com a câmera e o tripé inclinados, mas no fim deu tudo certo”, disse ao g1

Em MS, biólogo registra fenômeno da Lua de sangue: 'foi um presente ter o céu limpo'
Ela então, começou a ficar vermelha. Foto: Luiz Felipe Mendez/Reprodução