Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Segunda, 25 de Outubro de 2021

Policial

Com apenas 13 anos, garoto aterroriza família em assalto no São Bento

Campo Grande News

14 de Abril de 2011 - 17:51

Com um revólver calibre 38 nas mãos e muita ambição, um garoto hoje com 14 anos foi quem comandou o assalto a uma família no Jardim São Bento, em Campo Grande, e aterrorizou as quatro vítimas, no dia 29 de dezembro do ano passado. Detalhe: no dia do crime, ele tinha 13 anos.

O adolescente rendeu o proprietário da casa, mandou ele, a esposa e os dois filhos deitarem no chão com a cabeça para baixo e cobrir com edredon, e ficou o tempo todo com a arma de fogo apontada para baixo.

Ele foi apreendido nessa quarta-feira, em casa, na Vila Nhá-Nhá. Outros três envolvidos no assalto: Carina dos Santos, Fernando Soares da Silva e Rafael de Almeida Freitas foram presos pelo Garras. Um quinto autor ainda é procurado.

De acordo com a delegada da Deaij (Delegacia de Atendimento à Infância e à Juventude), Maria de Lourdes Souza Cano, responsável pela investigação, o garoto contou que fumava maconha junto com Carina e Rafael nas proximidades do Guanandizão quando o autor ainda não localizado, identificado como “Beiço”, chegou e sugeriu o roubo.

Fernando se juntou ao grupo e então eles seguiram no Gol dirigido por Beiço a procura de uma vítima. Por volta das 22h30min encontraram o alvo: um homem que entrava na garagem de sua residência, com seu carro, um Honda Fit.

O portão da casa, localizada na rua São Vicente, estava aberto e então os bandidos decidiram que o assalto seria ali. O adolescente bateu no vidro do carro com o revólver e rendeu o homem e em seguida os demais familiares.

Foram roubados bolsa, caixa de som, três celulares, home theater, joias, monitor, notebook, relógios de bolso e pulso, receptor, roupa, televisão, vídeo game, chave de um veículo Audi e até uma guitarra. Todos os objetos foram colocados no Honda Fit da vítima, que também foi levado, mas foi encontrado abandonado horas depois na avenida Guaicurus.

O menino contou que após o roubo os objetos ficaram na casa de Rafael e depois foram vendidos e o dinheiro dividido. A parte dele foi R$ 500.

A oportunidade faz o ladrão?- A delegada explica que o assalto praticado pela quadrilha foi o chamado de “oportunidade”, que é quando não há planejamento e a vítima é aquela que se encontra em situação de maior vulnerabilidade.

Conforme Maria de Lourdes, o adolescente, que é conhecido como “Dengue” ou “Magrelo”, nunca tinha praticado nenhum crime, mas, declarou que a arma usada no roubo, a qual não estava carregada, era dele e que a possuía como defesa porque é usuário de droga.

A delegada declarou também que o garoto contou que comprou o revólver de um senhor no Jardim Tarumã por R$ 600. Quantia que juntou ao longo de alguns meses.

Segundo Maria de Lourdes, a mãe do adolescente não desconfiava que o filho tinha participado de um crime e quando os policiais chegaram na residência dela e chamaram o garoto pelo apelido, ela não sabia de quem se tratava.

Comando- A delegada explica que é comum adolescentes serem os responsáveis por render vítimas, pois os adultos preferem que seja dessa maneira porque se houver necessidade de atirar, são eles que fazem.

E em caso de prisão, a pena para os adolescentes é menor do que para os maiores de idade. “Mas quem planeja é o maior; O menor é quem causa mais sofrimento ás vítimas”, diz a delegada.