Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 27 de Janeiro de 2022

Policial

Crimes como furtos, ameaças e roubos reinam nas estatísticas policiais

As mulheres aparecem no topo da lista que acusa as principais vítimas desse crime e os ex-maridos delas surgem como os ameaçadores.

Midiamax

21 de Abril de 2011 - 17:00

Relatório indicando os principais crimes registrados em Campo Grande revela que um dos delitos mais frequentes nos primeiros três meses deste ano foi a ameaça contra pessoas.

Pesquisa apurada pela Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública) de Mato Grosso do Sul, publicada anteontem, quarta-feira (20), no Diário Oficial do Estado, afirma ainda que o furto a pessoas e o roubo de carros figuram entre os boletins mais anotados nas delegacias da cidade.

A ameaça, delito que pode motivar seis meses de detenção, provocou o registro de 1.134 boletins de ocorrências entre os meses de janeiro e março, uma média de 12 casos a cada dia.

O publicado diz também que os crimes de ameaças são praticamente insolúveis. Isso porque, segundo o relatório, de toda a soma denunciada apenas 0.3% foram resolvidos pela polícia. Ou seja, dos 1.134 boletins de ocorrências, apenas quatro pessoas foram detidas por ameaçar alguém.

As mulheres aparecem no topo da lista que acusa as principais vítimas desse crime e os ex-maridos delas surgem como os ameaçadores.

O furto reina absoluto nas queixas registradas nas delegacias de Capital. A Sejusp informou que no primeiro trimestre deste ano foram anotadas 3.066 ocorrências, ou algo em torno de 34 casos por dia. A pesquisa revela também que pouco menos 1% dessas denúncias teve repercussão policial: 26 pessoas foram detidas e 3.040 casos sem resolver.

Já o roubo de carros somou 443 ocorrências nos primeiros 90 dias de 2011, uma média de cinco casos por dia. O estudo afirma que dos veículos roubados no primeiro trimestre a polícia recuperou 311 deles. Partindo-se dessa estatística pode-se dizer que 132 pessoas ficaram no prejuízo.

Os veículos roubados geralmente são levados para os chamados ferros-velhos ou negociados em troca de drogas e armas nas fronteiras com a Bolívia e o Paraguai, admitem alguns estudos produzidos pela polícia sul-mato-grossense.

O roubo engrossa a lista dos crimes mais praticados em Campo Grande. A Sejusp informou que de janeiro a março deste ano foram registrados 1.209 roubos na cidade, algo perto de 13 casos por dia. Diz o levantamento que 32 pessoas foram presas por estes crimes.