Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quarta, 27 de Outubro de 2021

Policial

Itaporã: mulher é vítima de tentativa de homicídio com golpes de pedra

Neste mesmo tempo, também foi solicitada uma ambulância para socorrer uma mulher que estaria muito mal próximo à Apae.

Dourados Informa

18 de Abril de 2011 - 09:31

Por volta das 02h30m deste domingo (17), a Policia Militar de Itaporã foi acionada através de denuncia anônima pelo 190, que uma mulher havia sido jogada em um mato na quadra que faz fundos da Apae de Itaporã. Neste mesmo tempo, também foi solicitada uma ambulância para socorrer uma mulher que estaria muito mal próximo à Apae.

Uma viatura da PM e a ambulância do Hospital Municipal se dirigiram até o local e depois de realizar buscas nas imediações, localizaram uma grande poça de sangue e ao lado, um bloco de concreto medindo 20 centímetros, com marcas de sangue e cabelos.

Realizaram buscas nas proximidades e encontraram a vítima caída dentro de um matagal, em estado gravíssimo, tendo a face toda lesionada, provocada possivelmente pelo bloco de concreto.

A vítima foi identificada, sendo Glaucia Maiara Dias Munhóz, 18 anos, que foi conduzida até o Hospital Municipal de Itaporã e devido a gravidade dos ferimentos e por estar em coma, foi removida para o Hospital da Vida em Dourados.

Autoria

A suposta autoria da Tentativa de Homicídio recai sobre o ex-amasio da vítima Glaucia Maiara, como sendo Adriano Gomes da Costa, vulgo “Gordinho”, de 22 anos, que segundo familiares vinha ameaçando a vítima.

Contra Adriano também consta um Boletim de Ocorrência de Ameaças (Violência Doméstica), registrado no último dia 05 por Glaucia.

Segundo familiares, o suposto autor da Tentativa de Homicídio não aceitada a separação do casal e vinha ameaçando a vítima de morte.

Nas primeiras horas deste domingo (17), Adriano e Glaucia foram vistos saindo de um evento que aconteceu no pátio do ginásio de esportes, minutos antes do fato.


Antecedentes

Adriano Gomes da Costa, o “Gordinho” é conhecido dos meios policiais, e contra ele há vários registros, tais como:
- 01/07/2009 – Homicídio Doloso – vítima: Alexsandro Moreira da Silva.
- 09/08/2009 – Lesão Corporal Dolosa – vítima: Marcos Rodrigues da Silva.
- 02/11/2010 – Lesão Corporal Dolosa – vítima: Maycon Dias.
- 28/03/2011 – Lesão Corporal Dolosa – vítima: Dione Mikael Sabino da Silva.
- 05/04/2011 – Ameaça (Violência Doméstica) – vítima: Glaucia Maiara Dias Munhóz.

Prisão Preventiva

No início de janeiro deste ano, o Promotor de Justiça da Comarca, requereu nos autos o pedido de Prisão Preventiva, contra Adriano, mas teve seu pedido negado.

Segundo o despacho proferido, o Juiz de Direito Dr. Adriano da Rosa Bastos indeferiu o pedido, alegando que o acusado é primário e portador de bons antecedentes, o que não provoca nenhum prejuízo à ordem pública.

Confira o despacho proferido pelo Magistrado:

“Verifico que o Representante do Ministério Público representou pela
prisão preventiva de Adriano Gomes da Costa dizendo que há prova suficiente da materialidade do crime e a necessidade de garantir a ordem pública em razão da gravidade objetiva do crime ocorrido.

A materialidade delitiva evidencia-se através do laudo de exame de
corpo de delito (fls. 27-30) que demonstra eficazmente a ocorrência do crime em questão.

Por sua vez, também há elementos indicando a autoria, notadamente o interrogatório prestado perante a autoridade policial onde há confissão.

Inobstante tudo isso, ao menos no atual momento, não há justificativa para a prisão cautelar.

Ocorre que em consulta ao sistema SAJ, verifiquei que se trata de
acusado primário e portador de bons antecedentes, o que evidencia que não há se falar em prejuízo à ordem pública.

Por sua vez, não há fundamento concreto que indique que sua liberdade trará prejuízo à instrução criminal.

Outrossim, possui residência fixa nesta comarca, não havendo elementos de que estando livre cause prejuízo à aplicação da lei penal.

E por fim, a gravidade abstrata do crime, por si só, não pode amparar um decreto de prisão quando não houver outros elementos que a justifiquem.

Ante o exposto, indefiro requerimento de decreto de prisão preventiva.

Ciência ao Ministério Público”.

Itaporã, MS, 21 de janeiro de 2011.

Adriano da Rosa Bastos
Juiz de Direito


Antônio Carlos Ferrari