Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Quinta, 21 de Outubro de 2021

Policial

MPE denuncia escrivão da polícia por violência sexual contra adolescentes

A denúncia foi oferecida pelo promotor Eteócles Brito Júnior, da comarca de Amambai, na última sexta-feira

Campo Grande News

26 de Janeiro de 2011 - 08:25

O MPE (Ministério Público Estadual) denunciou o escrivão da Polícia Civil, Nicodemos Moura Rodovalho de Alencar, à justiça por estupro de vulnerável em continuidade delitiva e coação contra duas adolescentes no município de Coronel Sapucaia. Ele foi preso no dia 6 de janeiro.

A denúncia foi oferecida pelo promotor Eteócles Brito Júnior, da comarca de Amambai, na última sexta-feira. As investigações realizadas pela Corregedoria da Polícia Civil e entregues ao MPE apontam que Nicodemos se utilizava do cargo como escrivão no município de Coronel Sapucaia para atrair meninas de famílias pobres.

Conforme a denúncia, o acusado realizava passeios noturnos e abordava as adolescentes oferecendo carona. Ao conquistar a simpatia das garotas, o escrivão oferecia dinheiro ou ameaçava para ter relação sexual. Uma das vítimas tinha 13 anos e foi levada para o alojamento da sede da delegacia da Polícia Civil por pelo menos três vezes. Em troca, ele teria pago R$ 30 a adolescente.

Já em janeiro deste ano, o escrivão abordou outra jovem, oferecendo-lhe carona. Ao perceber que Nicodemos conduzia seu veículo em direção à fronteira, a adolescente de 15 anos questionou o acusado. A partir deste momento, o escrivão passou a ameaçar a vítima com uma arma de fogo, dirigindo-se para uma casa abandonada próximo à fronteira.

Após praticar sexo com a jovem, o escrivão empurrou a vítima contra a parede causando um ferimento no braço esquerdo. Ela fugiu do local buscando abrigo na casa de uma prima, onde contou o ocorrido.

Com o início das investigações, a vítima conduziu os policiais até a casa utilizada pelo acusado, onde foram encontrados dois preservativos, usados na prática da violência sexual. O MPE pediu que ele fique preso até o fim do processo.