Logomarca

Um jornal a serviço do MS. Desde 2007 | Sábado, 29 de Janeiro de 2022

Policial

Vizinhos controlam incêndio em terreno cheio de lenha e botijão

O terreno pertence ao empresário Joel Nogueira de Melo, 53 anos, também dono da pizzaria que fica ao lado do espaço que pegou fogo.

Campo Grande News

18 de Abril de 2011 - 15:54

Incêndio no início da tarde desta segunda-feira em um terreno com lenha e botijões de gás foi controlado por vizinhos do local, que fica na rua Luís de Souza, na Vila Pioneiras, em Campo Grande.

O terreno pertence ao empresário Joel Nogueira de Melo, 53 anos, também dono da pizzaria que fica ao lado do espaço que pegou fogo.

Ele conta que estava no interior do estabelecimento comercial quando um vizinho o avisou que o terreno estava em chamas.

Joel diz não saber o que pode ter causado o incêndio. “Não sei o que aconteceu. Não tinha nada que pudesse causar”.

O empresário acionou o Corpo de Bombeiros, que quando chegou ao local o fogo já estava controlado. Os militares gastaram três mil litros de água.

Uma das pessoas que ajudaram a apagar o incêndio é o motorista Rodrigo Amorim, 32 anos, Ele mora quase em frente ao terreno e subiu no telhado de outra residência e com uma mangueira controlou as chamas.

Rodrigo teve ajuda de outro morador, o qual abriu a caixa d´água e com balde, jogava água no fogo. “Ele jogava um balde no fogo e outro nele porque estava muito calor”, conta.

Segundo o motorista, as chamas já estavam na altura dos telhados das residências próximas e havia risco de atingir os dois botijões de gás P45.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, toda a lenha que estava no local foi queimada. Os botijões não explodiram. As paredes ficaram cinzas devido à fumaça.

No espaço também tinha uma churrasqueira, cuja lenha que estava dentro foi queimada.

O empresário calcula entre R$ 300 e R$ 500 o valor do prejuízo. Para o vizinho que ajudou a acabar com o fogo, a situação poderia ser pior se hoje tivesse sido descarregado lenha no local. “Toda semana chega uma carreta com lenha. Imagine se fosse hoje?”, questiona.